NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 16 de Agosto de 2022

POLÍTICA
Quinta-feira, 04 de Agosto de 2022, 12h:57

DEPENDE DE MAURO MENDES

PSB quer palanque aberto ao Senado, mas estuda alternativas

Presidente do partido, Max Russi, diz que prioridade, nesse momento, é a candidatura da médica Natasha

KAMILA ARRUDA
Da Reportagem
Secom-AL
Presidente do PSB, Max Russi tem interesse em uma definição por parte de Mauro Mendes

Apesar de ainda esperar uma resposta oficial do governador Mauro Mendes (União Brasil), a cúpula do PSB já trabalha outras alternativas, no que diz respeito à disputa por vaga no Senado.

Isso, para o caso de o governador não adotar o palanque aberto e oficializar aliança com o senador Wellington Fagundes (PL).

A agremiação homologou, em convenção partidária, realizada no último dia 30, a candidatura da médica e empresária Natasha Slhessarenko (PSB) ao Senado. 

Caso Mauro Mendes se alie ao PL e defina por ter apenas o senador Wellington em seu palanque, o deputado estadual Max Russi, presidente do PSB em Mato Grosso, já coloca outros cenários, a fim de garantir a candidatura de Natasha. 

Leia também:

Mauro reforça aliança com Bolsonaro, mas apoio ao Senado é incerto

O primeiro seria o governador realmente manter o palanque aberto, e o PSB entrar na disputa com chapa pura.

Agora, caso seja oficializada a aliança com o PL, o PSB poderia lançar uma candidatura avulsa, ou buscar espaço no grupo de esquerda. 

“A oportunidade seria procurar a federação e os partidos desse campo oposicionista, para fazer algum encaminhamento ou lançar sozinho. Temos duas suplências, podemos negociar com outros partidos”, disse Russi, afirmando que já foi procurado pelo Pros e pelo Solidariedade.

Na manhã de terça-feira (2), Mauro Mendes teria comunicado ao deputado federal Neri Geller (PP) que iria se coligar com o PL para o pleito deste ano. 

O fato fez com que o PP e o PSD se distanciassem da base governista, tendo em vista que o PL trabalha a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), e tem como candidato ao Senado em Mato Grosso o senador Wellington. 

Geller é pré-candidato ao Senado, e ele e o senador Carlos Fávaro, maior liderança do PSD no Estado, representam o projeto presidencial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em Mato Grosso.

Além do PP e PSD, o fato acendeu o alerta no PSB e MDB.

Isso porque, o partido socialista tem a empresária Natasha Slhessarenko (PSB) como candidata ao Senado, e a sigla emedebista defende o palanque aberto por conta da eleição presidencial. 

Max disse que chegou a conversar com o governador sobre o assunto, e ele reafirmou o compromisso de palanque aberto na disputa ao Senado.

“Teve toda essa movimentação, e eu só consegui falar com o Mauro no final da tarde de terça, e o governador reiterou o compromisso que ele tem comigo. Ele disse: ‘Max eu fiz compromisso com você e com o Bezerra de palanque aberto, e vou manter isso’. Eu falei para o Neri que eu tenho que coligar, coligar com o PL e com o PSB’. É isso que o PSB quer”, explicou. 

Por outro lado, ele não descarta a possibilidade de Mauro Mendes mudar de ideia e fechar aliança direta com o PL.

Diante disso, ele fez um apelo para o governador, no sentido de que essa decisão seja tomada o quanto antes, para não inviabilizar o projeto do PSB, que é a de Natasha ao Senado.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Cuiabá flerta, cada vez mais, com o rebaixamento no Brasileirão. De quem é a culpa?
Do treinador
Da torcida
Dos cartolas
Dos jogadores
PARCIAL