NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 24 de Junho de 2022

POLÍTICA
Segunda-feira, 20 de Junho de 2022, 17h:09

ANTES DO RECESSO

AL agenda para julho votação do Orçamento para 2023

A Lei prevê um crescimento de mais de R$ 2 bilhões na Receita Corrente Líquida (RCL) do Governo do Estado

KAMILA ARRUDA
Da Reportagem
Fablício Rodrigues/Secom-AL
O orçamento vai ser discutido, em primeira votação, na sessão do dia 13 julho

A Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) do próximo ano deve ir a Plenário, em primeira votação, antes do recesso parlamentar.

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União Brasil) disse que a previsão é de que a peça seja apreciada na sessão ordinária do dia 13 de julho. 

Ele disse que a Mesa Diretora já fixou um cronograma para a votação da matéria.

Leia também:

Com asfaltamento, município do Vale do Araguaia sai do isolamento

“Nós estamos prevendo, até a sessão do dia 13, votarmos a LDO, antes do recesso, e depois ficar para o retorno, que vai ser primeiro de agosto, votarmos em segunda. É isso que eu espero. Inclusive, foi feito um cronograma e estipulado um prazo para os deputados apresentarem emendas”, explicou. 

O deputado disse, ainda, que os parlamentares irão incluir na peça orçamentária a previsão do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) aos servidores públicos estaduais, e também a realização de concurso público para algumas áreas.

“Se veio sem, nós vamos incluir, sim. Tudo tem que estar incluído”, completou. 

RECEITA - A LDO de 2023 prevê um crescimento de mais de R$ 2 bilhões na Receita Corrente Líquida (RCL) do Governo do Estado, em comparação a 2022. 

A expectativa é arrecadar um total de R$ 48,26 bilhões com a receita bruta.

Porém, após uma dedução de R$ 19,63 bilhões com despesas e outros, o governo irá trabalhar com um orçamento de R$ 28,62 bilhões.

A peça orçamentária ainda aponta que haverá uma renúncia fiscal de R$ 10,77 bilhões em 2023, a qual deverá crescer em 2024 para R$ 11,63 bilhões.  

A maior parte dessa renúncia, mais de R$ 9 bilhões, incide sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Mas, também há renúncia sobre Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto de Causa Mortis e Doação (ITCD), de taxas, juros e penalidades. 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL