NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

POLÍCIA
Quinta-feira, 12 de Maio de 2022, 07h:47

OPERAÇÃO MÃE-TERRA

PF mira grupo que atua no comércio ilegal de agrotóxicos

Quadrilha movimentou, em apenas dois anos, R$ 154 milhões, dos quais, grande parte sem identificação de origem e destino

Da Redação
PF/MT
Segundo a PF, grupo movimentou, em apenas dois anos, R$ 154 milhões, dos quais, grande parte sem identificação de origem e destino

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (12), a Operação Mãe-Terra, com objetivo de colher provas para a investigação que apura a prática do crime de importação e comercialização ilegal de agrotóxicos de origem estrangeira.

Quatro mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal de Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá) foram cumpridos em endereços residenciais e comercial, nos municípios de Sorriso e Lucas do Rio Verde, no Norte do Estado.

Leia também:

Juíza ordena a preventiva de policial que matou foragido com um tiro

As investigações iniciaram a partir de denúncias que apontavam um dos suspeitos como um dos principais contrabandistas de agrotóxicos de Sorriso (420 km ao Norte da Caputal) e região.

Em fiscalizações realizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento(Mapa), foram identificados agrotóxicos ilegais em propriedades rurais atribuídas aos investigados.

Informações obtidas pelo COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) confirmaram a existência de grande movimentação bancária suspeita na conta dos investigados.

A Justiça Federal autorizou a quebra de sigilo bancário e foi possível constatar que os suspeitos de comercializar fertilizantes ilegalmente importados movimentaram, em apenas dois anos, R$ 154 milhões, dos quais, grande parte sem identificação de origem e destino para pessoas que já responderam pelo crime de transporte e uso ilegal de defensivos agrícolas.

O próximo passo da Polícia Federal será determinar quem são os fornecedores nos países fronteiriços, a estrutura logística utilizada para o transporte e os destinatários.

Os suspeitos poderão responder pelos crimes previstos nos artigos 56 da Lei 9.605/98, com pena de 1 a04 anos de reclusão, e multa, e art. 15 da Lei 7.802/89, com pena de 2 a 4 anos de reclusão, multa, dentre outros crimes que serão apurados no curso das investigações.

Veja vídeo:


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL