NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

POLÍCIA
Segunda-feira, 09 de Maio de 2022, 16h:53

CITOU "DESPREPARO"

Juíza ordena a preventiva de policial que matou foragido com tiro

Homem foi reconhecido durante expedição de B.O., em delegacia; ele foi morto na Avenida da Prainha

Da Redação
Divulgação
O crime ocorreu nas proximidades da Central de Flagrantes, na Avenida da Prainha

A juíza plantonista Renata do Carmo Evaristo Parreira determinou a prisão preventiva do investigador Leonel Constantino de Arruda, a Polícia Civil.

Ele matou o foragido da Justiça, Anderson Conceição de Oliveira, com um tiro na nuca, na Avenida Tenente-Coronel Duarte (Prainha). na região central de Cuiabá. 

O crime aconteceu na manhã da última sexta-feira (6).

Leia também:

Policial civil mata homem com um tiro, na Avenida da Prainha

Anderson Oliveira procurou a Central de Flagrantes para registrar um Boletim de Ocorrência (B.O.), quando o agente Leonaldo Arruda constatou que havia um mandado de prisão em aberto contra ele.

O policial lhe deu voz de prisão, mas o foragido correu e foi seguido, sendo atingido com atingiu com um tiro na cabeça.   

A decisão pela prisão preventiva foi dada durante audiência de custódia, realizada no fim de semana.

Leonel Arruda já foi encaminhado para o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).  

Na decisão, a magistrada citou que o investigador agiu com "despreparo" e foi  “imprudente” na ação. 

“Por ser investigador de polícia, exigia-se uma conduta totalmente diversa do mesmo, o qual assumiu o risco de matar a vítima Anderson no momento em que decidiu atirar pelas costas de uma pessoa desarmada”, disse. 

A juíza ovservou que, se o policial desejasse conter o foragido que estava correndo, o correto seria atirar primeiramente para o alto, porém não o fez.

“Ademais, estranho a este juízo que o autuado tenha afirmado que desejava acertar a perna da vítima, porém acabou acertando a nuca, fator que demonstra total despreparo, tendo sido imprudente e imperito em sua ação”, escreveu.  

“Além disso, deve ser ressaltado que o autuado assumiu o risco inclusive de atingir outras pessoas que estivessem passando pelo local, considerando que se trata de uma via pública, a qual é conhecida pela grande movimentação de transeuntes, em plena luz do dia”, acrescentou. 

A magistrada ainda citou que Leonel já responde outros dois processos criminais pela acusação de extorsão mediante sequestro e abuso de autoridade “demonstrando que possui inclinação à prática delitiva e que sua liberdade coloca em risco a ordem pública”. 

“Antes o exposto, demonstrados os indícios de autoria e materialidade do delito, estando presentes os requisitos legais e não sendo cabível, in casu, sua substituição por outra medida cautelar, converto o auto de prisão em flagrante de Leonel Constantino e Arruda, em prisão preventiva, nos termos do artigo 312 c/c o artigo 313, I, ambos do Código de Processo Penal, como garantia da ordem pública”, decidiu. 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL