Diario de Cuiabá

Quarta-feira, 22 de Junho de 2022, 11h:55

Prisão de ex-ministro é vista como "desastre" para campanha

A avaliação é de que a prisão enfraquece o discurso de Bolsonaro de que não há corrupção em seu Governo

CARLA ARAÚJO
Do UOL - Brasília

A notícia da prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro caiu como uma bomba no núcleo de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) e também no Palácio do Planalto.

Auxiliares do presidente ouvidos pela coluna classificaram a operação de Polícia Federal desta quarta-feira (22) como "um desastre", "muito ruim" e "muito grave".

Leia também:

Ex-ministro e pastor ligados a Bolsonaro são presos pela PF

A avaliação é de que a prisão enfraquece o discurso de Bolsonaro de que não há corrupção em seu Governo, o que pode até mesmo mudar a estratégia da campanha que pretendia centralizar os ataques ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva justamente no tema.

Os responsáveis pela campanha de Bolsonaro dizem, porém, que ainda é cedo para fazer avaliações mais profundas do impacto da prisão de Milton Ribeiro e que ainda estão absorvendo o choque da notícia.

Apesar disso, admitem que a prisão pode dar munição para os adversários, ainda mais com a fala de Bolsonaro que disse que colocaria "a cara no fogo" por Ribeiro.

No Palácio do Planalto, a prisão também foi vista como negativa para o Governo, mas há a ponderação de que a ação da PF ajudaria a diminuir o discurso de que Bolsonaro interfere nos trabalhos da Polícia Federal.

Em outubro de 2020, Bolsonaro fez um discurso em que afirmou que tinha acabado com a Lava Jato, porque, segundo ele, "não existe mais corrupção no Governo".

Em sua fala, o presidente admitiu, no entanto, que o suposto fim da corrupção não seria uma virtude e sim uma obrigação.

Hoje, após a prisão do ex-ministro, Bolsonaro disse em uma entrevista que Milton Ribeiro é que deve responder pelos seus atos.

"É como a questão do Milton, lamento. A imprensa vai dizer que tá ligado a mim, etc. Paciência. Se tiver algo de errado, ele vai responder. Se tiver? Se for inocente, sem problema; se for culpado, vai pagar. O Gverno colabora com a investigação. A gente não compactua com nada disso", disse.

E SE ELE FOR INOCENTADO? - Fontes do Governo dizem também que o ex-ministro deve ter direito a se defender e que poderia ainda provar que é inocente.

Um desses auxiliares, que admitiu a gravidade da prisão, ressaltou que ainda tem "total confiança no Milton".

O líder do Governo, Ricardo Barros (PP-PR), usou as redes sociais para defender a mesma linha.

"Muitos que foram presos hoje estão inocentados após conclusão das investigações. Espero que seja esse o caso do reverendo Milton Ribeiro", disse.


Fonte: Diario de Cuiabá

Visite o website: www.diariodecuiaba.com.br