NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 24 de Junho de 2022

ILUSTRADO
Quinta-feira, 23 de Junho de 2022, 05h:29

CELEBRIDADES

Após 46 dias internado, o sertanejo Conrado recebe alta de hospital

'Foi um mês e meio de muito cuidado', diz o comunicado oficial do cantor

Da Folhapress - São Paulo
Conrado da dupla sertaneja Conrado e Aleksandro

 cantor sertanejo João Vitor, conhecido como Conrado, que fazia dupla com Aleksandro, deixou o Hospital Regional de Registro nesta quarta-feira (22), após 46 dias internado na unidade. Além dele, um dos integrantes da banda, o músico Júlio Cesar Bigoli, também recebeu alta médica. Os dois estavam no acidente de ônibus que tirou a vida de seis integrantes do grupo, entre eles o cantor Aleksandro.

Em nota enviada à imprensa, a equipe de Conrado celebrou a recuperação do cantor. "Foi um mês e meio de muito cuidado, procedimentos delicados, paciência e orações. Gostaríamos de agradecer todo o respeito e sensibilidade com que os amigos da imprensa trataram esse momento tão delicado. Perdemos seis amigos, dois ainda estavam se recuperando de quadros considerados graves e tratados pela própria equipe médica como milagre. Foram dias difíceis e ainda precisamos prezar pela saúde e privacidade dos dois. Assim que eles se sentirem confortáveis, vão se pronunciar publicamente", diz a nota.

O acidente com o ônibus da dupla Conrado & Aleksandro aconteceu na rodovia Régis Bittencourt, na altura de Miracatu, no interior de São Paul, no dia 7 de maio. Segundo informações oficiais da banda, 19 pessoas estavam no veículo, incluindo os artistas. Além dos seis óbitos, 11 vítimas foram encaminhadas aos prontos-socorros da região.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL