NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

ILUSTRADO
Terça-feira, 24 de Maio de 2022, 12h:04

CINEMA

Anthony Hopkins vai interpretar Sigmund Freud em novo filme

Estadão Conteúdo
Anthony Hopkins

Anthony Hopkins viverá Sigmund Freud (1856-1939) em uma adaptação cinematográfica da peça A Última Sessão de Freud.

A história, que se passa antes da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), relata o encontro entre o psicanalista e o jovem escritor C. S. Lewis (1898-1963), autor de, entre outros livros, As Crônicas de Nárnia.

 
 

Segundo o The Hollywood Reporter, o roteiro será baseado no texto do espetáculo de Mark St. Germain, que explora também o relacionamento de Freud com sua filha, Anna, e o relacionamento entre Lewis e a mãe de seu melhor amigo, além de temas mais profundos como a existência de Deus. A direção fica por conta de Matthew Brown.

A previsão é de que as filmagens tenham início no último trimestre de 2022 e que o longa seja lançado na Marché du Film do Festival de Cannes, no futuro.

Hopkins é lembrado principalmente por seu premiado papel como o psicopata Hannibal Lecter em O Silêncio dos Inocentes (1992), que lhe rendeu um Oscar de melhor ator - prêmio que voltaria a receber em 2021, por Meu Pai, após quatro outras indicações.

Em 2022, A Última Sessão de Freud ganhou uma montagem brasileira, dirigida por Elias Andreato e trazendo Odilon Wagner como Freud e Claudio Fontana no papel de Lewis.

Considerado o pai da psicanálise, Freud cresceu em uma família judaica em Viena no século 19, e desenvolveu o método de terapia no qual o paciente deve expor ao analista tudo o que lhe viesse à cabeça, por livre associação.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL