NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

ESPORTES
Terça-feira, 24 de Maio de 2022, 12h:35

VÔLEI

Tandara, do vôlei, é condenada a quatro anos de suspensão por doping

Atleta vai recorrer e afirma que a condenação é injusta e desproporcional

Da Folhapress - São Paulo
Tandara

A jogadora de vôlei Tandara Caixeta, 33, foi condenada a quatro anos de suspensão por doping pelo Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, em julgamento de oito horas nesta segunda-feira (23).          

A pena máxima foi decidida pela acusação de uso de Ostarina, substância que foi encontrada no exame antidoping da atleta e a tirou das partidas finais do vôlei feminino nos Jogos de Tóquio.          

    Além de ser proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a Ostarina é vetada em competições e pertence à classe S1 da lista de substâncias não autorizadas pela Wada, a agência mundial antidoping, por ser considerada um anabolizante.            

A Ostarina é um SARM (modulador seletivo do receptor de androgênio) criado na década passada para o tratamento de doenças como osteoporose. No corpo, causa aumento de massa muscular, oferecendo os mesmos benefícios dos anabolizantes, mas com menos efeitos colaterais.          

Proporciona também redução do peso com a eliminação de gordura, aumento da espessura óssea e melhora da saúde de tendões e ligamentos.        

  Tandara tem o direito de recorrer à Corte Arbitral do Esporte, na Suíça, e afirmou que tentará reverter a decisão.        

Em manifestação no Twitter após a condenação, ela disse que está determinada a provar a inocência e por isso até o momento não havia feito nenhum pronunciamento sobre o caso de doping.          

  A jogadora vai recorrer contra a decisão, que diz respeitar, mas não concordar. Para ela, o entendimento da Primeira Câmara do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem é incompatível com "a melhor jurisprudência internacional".        

  A atleta afirma que foi contaminada e tem provas disso e define a condenação como injusta e desproporcional. Também questiona o vazamento do processo que, segundo ela, deveria ser sigiloso.      

  "Eu sempre fui movida a desafios e enfrentei muitas situações adversas durante a minha vida", disse. "Essa condenação é particularmente difícil para mim porque estou sendo condenada por algo que não fiz e Deus sabe".         A atleta afirmou ter orgulho dos seus mais de 18 anos de carreira. "Minha vida é o vôlei e quem me conhece sabe que não faria nada que pudesse destruir tudo isso que construímos em todo esse tempo".          

Segundo Tandara, o sentimento de injustiça é angustiante. "Mas com a ajuda de todos vocês eu vou superar esse momento e transformar essa situação em combustível para vencer mais essa batalha", concluiu.      


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL