NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 24 de Junho de 2022

ECONOMIA
Quinta-feira, 23 de Junho de 2022, 09h:45

ECONOMIA

Sob pressão de Erdogan, BC turco mantém juro básico em 14%, apesar da inflacão

André Marinho
Estadão Conteúdo

O Banco Central da Turquia (TCMB, na sigla em inglês) manteve a taxa básica de juros em 14% pelo sexto mês consecutivo, em decisão de política monetária divulgada nesta quinta-feira, 23. Embora a inflação no país esteja nos níveis máximos em 24 anos, a instituição se curva à pressão do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e evitar apertar os custos de crédito.

Em comunicado semelhante ao da reunião anterior, o BC turco não cita nominalmente a guerra na Ucrânia, mas afirma que "a escalada de riscos geopolíticos" enfraqueceu a atividade econômica global e impulsionou os preços.

Segundo a entidade, o quadro inflacionário é alimentado pelo encarecimento da energia, choques de oferta e "efeitos temporários de formações de preços que não são apoiadas por fundamentos econômicos. O TCMB argumenta que o processo desinflacionário deve começar, graças à medidas tomadas para estabilizar os preços.

Em maio, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da Turquia acelerou à taxa anual de 73,5%, no maior valor desde 1998. O resultado é mais de 14 vezes superior à meta de 5% do banco central.

Apesar disso, o presidente Erdogan insistiu que juros não seriam elevados.

No final do ano passado, o BC turco cortou a taxa básica de 19% ao nível atual, cedendo à pressão do líder político, que destituiu uma série de dirigentes da instituição para que sua política pudesse ser implementada.

 

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL