NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 22 de Janeiro de 2022
ECONOMIA
Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2021, 00h:00

ACIMA DE UM BILHÃO

Quatro municípios de MT se destacam no PIB Agro brasileiro

MARIANNA PERES
Da Reportagem
Colheita de soja em Mato Grosso

Sorriso, Diamantino, Campo Novo do Parecis e Sapezal são os representantes mato-grossenses com maior valor adicionado bruto da Agropecuária brasileira do Produto Interno Bruto (PIB). Em um ranking nacional com dez municípios, quatro são de Mato Grosso. Ampliando a lista, entre os cem maiores PIB´s do agro nacional, 21 deles são do Estado.

Sorriso é destaque na produção de soja e milho. Anualmente, cerca de 600 mil hectares são destinados ao cultivo da oleaginosa, sendo a maior superfície no mundo, para um único município. Os dados fazem parte do Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios, referente a 2019, divulgado pelo IBGE.

Conforme a publicação, São Desidério (BA) tem o maior valor adicionado da Agropecuária, com R$ 1,57 bilhão. Na sequencia, o segundo maior do Brasil, é Sorriso com R$ 1,46 bilhão. Ainda dentro do ‘Clube do Bilhão’ estão Diamantino, R$ 1,36 bilhão, Campo Novo do Parecis, R$ 1,32 bilhão e Sapezal, R$ 1,26 bilhão. Representam Mato Grosso entre os cem maiores: Sorriso, Diamantino, Campo Novo do Parecis, Sapezal, Nova Mutum, Campo Verde, Nova Ubiratã, Primavera do Leste, Lucas do Rio Verde, Campos de Júlio, Itiquira, Paranatinga, Querência, Canarana, Brasnorte, Tapurah, Ipiranga do Norte, Denise, Alto Taquari, São Félix do Araguaia e Barra do Brugres.

Em 2019, cerca de ¼ vinha de 149 municípios, dos quais 96 (64,4%) estavam no Sul e no Centro-Oeste, ancorados na produção de soja e cana-de-açúcar.

“Na análise segundo as regiões rurais (conjunto de municípios, sendo que um deles contém o polo urbano onde se procuram insumos e para onde se remetem os produtos agropecuários), os maiores valores adicionados brutos estavam no sul do país, sendo a soja a principal atividade, com destaque para as regiões rurais das capitais regionais de Passo Fundo/RS, de Cascavel/PR e de Ponta Grossa/PR”, pontua a publicação do IBGE.

A FORÇA DO AGRO – Além de contribuir para o total do PIB de Mato Grosso, que em 2019 foi estimado pelo IBGE em R$ 142,12 bilhões, os municípios dos ‘agro ‘ – como são chamados – também fazem a diferença, de forma positiva, para dar novo destaque à economia local: entre os 100 maiores PIB’s Per Capita do Brasil. A renda per capita é obtida mediante a divisão da Renda Nacional pelo número de habitantes do país, estado ou município.

Nessa relação, Mato Grosso tem nove representantes. A melhor posição nacional é Campos de Júlio com PIB Per Capita de R$ 193,80 mil por habitante. É o 25° maior do País e o segundo do Centro-Oeste.

Os oito restantes são: Santa Rita do Trivelato, R$ 150,42 mil, Diamantino, R$ 111,19 mil, Nova Ubiratã, R$ 108,28 mil, Sapezal, R$ 100,07 mil, Itiquira, R$ 96,86 mil, Campo Novo do Parecis, R$ 96,18 mil, Ipiranga do Norte, R$ 95,78 mil, Porto dos Gaúchos, R$ 94,50 mil.

Já entre os maiores 30 PIB’s do Centro-Oeste, a preços correntes de mercado, Mato Grosso conta com quatro representantes, Cuiabá, quarta posição no ranking com R$ 24,62 bilhões, Rondonópolis na sétima colocação com R$ 11,34 bilhões. Várzea Grande com R$ 8,59 bilhão é 11ª no regional e Sinop, 13º, com R$ 6,59 bilhões.

DESTAQUES – Conforme o IBGE, em 2019, ¼ do PIB do país vinha de apenas oito municípios e o líder em participação era São Paulo (SP) responsável por 10,3% do PIB do país que, naquele ano, chegou a R$ 7,4 trilhões. Já o município com o maior PIB per capita foi Presidente Kennedy (ES), com R$ 464.883,49.

No ano de referência, oito municípios somaram 24,8% do PIB do Brasil e 14,7% da população: São Paulo (SP) com 10,3%; Rio de Janeiro (RJ) com 4,8%; Brasília (DF) com 3,7%; Belo Horizonte (MG) com 1,3%; Curitiba (PR) com 1,3% e, com 1,1% cada, Manaus (AM), Porto Alegre (RS) e Osasco (SP). Em 2002, apenas quatro municípios somavam quase ¼ da economia nacional.

Os 70 municípios com os maiores PIBs reuniam pouco mais de 1/3 da população brasileira e concentravam quase a metade do PIB do país. Já os 1.345 municípios de menores PIBs responderam por cerca de 1,0% do PIB nacional e por 3,1% da população. Entre estes, estavam mais da metade dos municípios do Piauí (153) e da Paraíba (135).

A análise da distribuição do PIB por concentrações urbanas (arranjo populacional com mais de 100 mil habitantes, reunindo uma ou mais cidades com alto grau de integração, devido aos deslocamentos para trabalho ou estudo) permite verificar que ¼ da produção econômica do país, em 2019, estava em apenas duas dessas concentrações: São Paulo/SP (17,0%), onde se situa, entre outros, o município de Osasco (SP); e Rio de Janeiro/RJ (7,9%).

As 10 maiores concentrações urbanas brasileiras compõem cerca de 42,8% do PIB, sendo elas: São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Brasília/DF, Belo Horizonte/MG, Porto Alegre/RS, Curitiba/PR, Campinas/SP, Salvador/BA, Recife/PE e Fortaleza/CE.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê a montagem do elenco do Cuiabá para a Série A?
Dentro do que se esperava
Tem que melhorar muito
Precisa de jogadores experientes
Não se pode fazer milagre
PARCIAL