NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

ECONOMIA
Sexta-feira, 13 de Maio de 2022, 12h:03

EFEITO DA ESTIAGEM

Produção de milho safrinha deve ser novamente reduzida no Estado

A produção do cereal é de 39,35 milhões de toneladas, recuo de 2,99%, na comparação com a safra passada

MARIANNA PERES
Da Reportagem
Reprodução
A base da produção mato-grossense é o milho safrinha, plantado em rotação de cultura com a soja

A produção de milho segunda safra 2021/22 - ou safrinha, como é conhecida – deve sofrer uma nova revisão baixista, na próxima atualização realizada pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

A informação é do vice-presidente da Federação de Agricultura de Mato Grosso (Famato), Marcos da Rosa.

A produção do cereal ficou estimada em 39,35 milhões de toneladas, recuo de 2,99% na comparação com a safra anterior.

Leia também:

MT tem recorde de área, produção e produtividade em mais uma safra

Até o início do mês passado, a safrinha tinha perspectivas de somar mais milho do que soja e bater novo recorde de produção, acima dos 40,56 milhões de toneladas.

“Outro corte é esperado no próximo mês, e a estimativa pode cair para 39 milhões de tonrladas”, disse Rosa.

Conforme o ruralista, além da estiagem de mais de 20 dias, em algumas importantes regiões produtoras de Mato Grosso, há relatos de severos ataques de cigarrinha no milho, fatores que devem impactar na produtividade.

Conforme já observado pelo Imea, a safra 2021/22 de milho safrinha, em Mato Grosso, deve ficar 3% menor do que o projetado, e ser finalizada de maneira diferente daquilo que era esperada pelos produtores e pelo mercado.

Apesar de o clima ter ajudado no início da semeadura, há relatos de redução das chuvas, durante o mês de abril.

Essa estiagem deve comprometer rendimento e produção do cereal neste ciclo.

Desde o começo dos trabalhos no campo, as projeções apontavam para uma oferta de milho superior à da soja.

Devido às revisões, a produção estadual de milho ficou estimada em 39,35 milhões de toneladas, recuo de 2,99% em relação ao levantamento anterior.

Ainda que haja certa ‘frustração’, a estimativa atual se mostra 20% acima do que foi consolidado na safra passada – 32,56 milhões t – e com produtividade superior, em 12% á média de 92,65 sacas por hectare do ciclo 2020/21.

Como já destacado pelo MT Econômico, a área cultivada é recorde, bem como a oferta revisada para baixo.

Conforme a 8ª Estimativa da Safra de Milho – 2021/22, realizada pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), os modelos climáticos atuais indicam baixos volumes de chuva para o período de maio, que variam de 10 mm a 25 mm na maior parte do Estado, salvo o Norte mato-grossense, segundo o TempoCampo.

“Com a redução nas precipitações, as estimativas de safra 2021/22 foram revisadas para baixo”, aponta o Imea.

Segundo o relatório, mesmo com perdas na oferta, a área destinada ao milho exibiu leve incremento.

“A área ficou estimada em 6,32 milhões de hectares, acréscimo de 0,28% ante o relatório passado e 8,17% superior à safra 2020/21. No que tange à produtividade, houve queda de 3,26% em comparação com o relatório passado, ficando estimada em 103,80 sc/ha na média estadual, em consequência da escassez hídrica que vem ocorrendo desde o último mês em grande parte do Estado, principalmente no que tange às regiões centro-sul e oeste, que apresentaram queda de 6,43% e 4,23%, respectivamente”.

O início da temporada 2021/22 do milho safrinha no Estado foi caracterizado pelo adiantamento da semeadura do cereal em grande parte do Estado, motivado pela antecipação do plantio e da colheita de soja.

Com a finalização da semeadura do cereal no mês de abril, a atenção dos produtores se voltou ao desenvolvimento, no qual o clima é o principal fator para a sua evolução.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL