NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

CUIABÁ URGENTE
Sexta-feira, 20 de Maio de 2022, 12h:36

RACHA NO BOLSONARISMO

Fazendeiro diz ser o 'único' membro da direita na briga pelo Senado

Da Redação

Divulgação

Galvan e Bolsonaro

Presidente da Aprosoja nacional, Antonio Galvan acredita que terá o apoio de Bolsonaro na disputa pelo Senado em MT

A direita bolsonarista em Mato Grosso continua sem se entender, no contexto da disputa por uma vaga no Senado.

O grupo já tem como pré-candidatos o senador Wellington Fagundes (PL) e o deputado federal Neri Geller (PP), mas não há consenso sobre ambos.

Para complicar ainda mais as coisas, o presidente da Aprosoja Brasil, Antonio Galvan (PTB), insiste com a sua pré-candidatura.

Leia também:

Médica fala de pautas sociais: senador e deputado exaltam Bolsonaro

No dia 11 de junho, segundo ele, seu nome será oficializado pela cúpula do PTB, em evento que deverá contar com algumas das principais estrelas da legenda, como presidente nacional, Kassyo Ramos.

Um dos líderes do Movimento Brasil Verde - que patrocinou atos antidemocráticos em favor do presidente Jair Bolsonaro (PL), em 7 de setembro de 2021 - Galvan não se afina com os colegas bolsonaristas WF e Geller.

Nos seus discursos, ele classifica o senador e o deputado como "oportunistas", já que não seriam bolsonaristas-raiz.

O fazendeiro mudou o tom e, agora, se apresenta como "o único representante da direita bolsonarista na disputa pelo Senado".

Galvan faz "dupla caipira" com o pastor Victório Galli, dono do PTB em Mato Grosso: um se apresenta como "o candidato" e o outro, "o amigo" do presidente da República.

Falta só colocarem o bloco na rua...


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL