NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 25 de Janeiro de 2022
CIDADES
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2022, 00h:00

HIPERVITAMINOSE

O uso de suplementos vitamínicos sem prescrição pode ser perigoso

Da Redação

Com medo da pandemia do novo coronavírus e na tentativa de fortalecer o sistema imunológico, muitas pessoas começaram a tomar por conta própria complexos vitamínicos popularmente conhecidos como "complexos A Z". Porém, especialistas alertam que esses medicamentos, que são vendidos sem prescrição médica se consumidos em excesso e sem necessidade, podem trazer malefícios a saúde, causando a hipervitaminose.

De acordo com a professora do curso de medicina da Universidade de Cuiabá (Unic), Maria Luisa Trabachin, as vitaminas estão divididas em treze tipos: A; complexo B (B1, B2, B3, B6, B9, B12, ácido pantotênico e niacina); C; D; E; e K. O uso dessas vitaminas só deve ser feito se existe déficit no organismo.

"Os suplementos são considerados medicamentos e, por isso, devem ser utilizados somente se houver a necessidade e que seja prescrito por um médico, para não trazer prejuízos à saúde”, disse por meio da assessoria de imprensa. “O ideal é fazer exames periódicos para a avaliação", completa.

Maria Trabachin explica que a intoxicação vitamínica acontece mais facilmente com as vitaminas lipossolúveis, A, D, E e K, que se dissolvem em gorduras, sendo seus excessos de difícil eliminação pelo organismo. Por exemplo, o excesso de vitamina “D” pode elevar o nível de cálcio no sangue, o qual depositados nas artérias e em órgãos como o rim, causam lesões permanentes.

No caso da vitamina “E” em excesso pode causar hemorragias e a vitamina K está ligada à coagulação sanguínea. Já a vitamina A, quando administrada em excesso, pode causar problemas neurológicos semelhantes à meningite e cefaleia intensa, além de oferecer risco teratogênico (malformação do feto) para gestantes.

A especialista faz um alerta, pois em alguns casos o uso das vitaminas em cápsulas não está fazendo o efeito desejado no organismo. "Para se ter uma noção de como o organismo está reagindo é interessante monitorar com exames laboratoriais se a suplementação atingiu o objetivo clínico. Às vezes o indivíduo utiliza complexos vitamínicos, mas não melhora os níveis desses compostos. Então é essencial o acompanhamento clínico para alcançar os níveis desejados", finaliza a professora.

Caso a pessoa não tenha nenhuma deficiência grave, a melhor saída é a reeducação alimentar, rica em vegetais, proteínas e gorduras boas, esses alimentos oferecem os micronutrientes em proporções biologicamente equilibradas.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê a montagem do elenco do Cuiabá para a Série A?
Dentro do que se esperava
Tem que melhorar muito
Precisa de jogadores experientes
Não se pode fazer milagre
PARCIAL