NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

BRASIL
Terça-feira, 17 de Abril de 2001, 22h:05

SAÚDE

Proibida venda de merthiolate e mercúrio

As farmácias e os laboratórios terão 60 dias para retirar os produtos do mercado

LISANDRA PARAGUASSÚ E LEILA SUWWAN
Da AF – Brasília
Produtos a base de mercúrio usados para limpar ferimentos, como o mercúrio-cromo e o tiomersal (princípio ativo da marca Merthiolate), estão proibidos de serem produzidos ou vendidos no país a partir de hoje. Uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que será publicada hoje, suspende a venda dos produtos no país. As farmácias e os laboratórios terão 60 dias para retirar os produtos do mercado. A intenção da Anvisa é diminuir a oferta de produtos que contenham o mercúrio, um metal pesado, na fórmula. Em doses altas, o metal pode provocar intoxicação e diversos problemas de saúde, principalmente no fígado. Os anti-sépticos usados em machucados têm doses muito pequenas de mercúrio e, sozinhos, não fazem mal à saúde. “O problema é a soma de fontes do metal a qual a pessoa está sujeita", disse o presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina. “Queremos diminuir ao máximo as fontes possíveis de mercúrio." Em hospitais, o mercúrio-cromo e o tiomersal não são mais usados desde 1991. Segundo Vecina, a medida foi adotada porque em atendimentos hospitalares normalmente a superfície a ser limpa é muito grande, o que necessitaria uma grande dose de mercúrio-cromo, podendo aumentar a absorção do metal. A Anvisa não sabe quantos produtos a base de mercúrio são vendidos hoje porque não é necessário o registro na agência. “A suspensão da venda não é uma notícia muito preocupante", afirmou o ministro da Saúde, José Serra. “Um ferimento doméstico pode ser melhor tratado com água e sabão." Segundo o ministro, também existem outros produtos que podem substituir com vantagem a limpeza de ferimentos domésticos. Um exemplo são os anti-sépticos feitos com iodo. A resolução da Anvisa será publicada hoje no “Diário Oficial" da União. As empresas que não retirarem seus produtos do mercado nos próximos 60 dias serão autuadas e poderão ser multadas. Os valores variam de R$ 2.000 a R$ 50 mil, dependendo do tipo de infração. Recomendações - Uma portaria do Ministério da Saúde, publicada em 1998, já tratava do uso de anti-sépticos e esterilizantes. De acordo com a medida, não era recomendada a utilização de fórmulas contendo acetona, éter, clorofôrmio e mercuriais orgânicos, como tiomersal, com a finalidade de anti-séptico. A portaria 2.616 do ministério também estabelece normas para o controle de infecções hospitalares.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL