NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

ARTIGO
Segunda-feira, 09 de Maio de 2022, 07h:37

DAVID PINTOR

Mato Grosso: 274 anos de conquistas

Poderio econômico também se deve muito ao setor do comércio, presente muito antes da capitania

Mato Grosso é reconhecido como uma grande potência no agronegócio, mas o poderio econômico também se deve muito ao setor do comércio, presente muito antes da criação da capitania mato-grossense, que, neste 9 de maio, completa 274 anos.

Desde a chegada dos bandeirantes no território mato-grossense, o comércio sempre movimentou a economia, ainda no período colonial com os serviços de escambo e trabalho dos mascates.

Afinal, com a corrida do ouro pelas descobertas de grandes jazidas, fez com que muitos para cá viessem, o que ajudou a povoar a região.

E, é claro, o comércio se fazia presente fortemente, afinal, com vendas de alimentos, vestimentas, entre outros. No início do século XIX teve início a organização de casas comerciais.

Até então, havia diversos estabelecimentos que concentravam o movimento comercial e financeiro da região, como 30 lojas de fazendas e de secos e molhados em Cuiabá.

Além dos ‘boliches’ e botecos onde os mineradores gastavam grande parte do ouro que angariavam durante o dia.

Tem-se conhecimento também que a empresa mais antiga de Mato Grosso é datada de 3 de fevereiro de 1893 onde a firma Victorio Irmãos Costas apresentava diversos produtos e era um negócio administrado pela família.

Há registros datados em 1898 de um comércio de pessoas conhecidas no Estado, como Pedro Celestino Corrêa da Costa, ex-governador de Mato Grosso.

Em 2020, em um levantamento realizado pelo Ministério da Economia, Mato Grosso aparece em primeiro lugar como o estado com maior crescimento percentual na constituição de empresas no primeiro quadrimestre de 2020.

Ao todo, foram registradas no estado 21.040 novas empresas.

Os dados apontaram um crescimento de 19,1% em relação ao último quadrimestre de 2019 e 5,8% quando comparado com o mesmo período do ano passado.

Do total, 5.993 foram empresas dos setores de Serviços, Comércio, Indústria, Agropecuária e outros, registradas na Junta Comercial de Mato Grosso (Jucemat).

É claro que com a pandemia, o reflexo negativo no comércio foi de imediato.

Hoje, os comerciários, passada a fase crítica da Covid-19, vivem um momento em que buscam se reerguer no mercado

O isolamento social com o “lockdown” e o desabastecimento de mercadoria nos gêneros alimentícios foi sentido na pele por muitos comerciantes, boa parte desses que tiveram que fechar as portas.

Hoje, os comerciários, passada a fase crítica da Covid-19, vivem um momento em que buscam se reerguer no mercado.

E neste dia, em que Mato Grosso completa mais um aniversário, não poderíamos deixar de relembrar a importância do comércio na história de nosso estado.

Setor este que movimenta e sempre colaborou de forma significativa com o desenvolvimento mato-grossense!

Mato Grosso criou 63,791 mil novos postos de trabalho formal em 2021, ocupando a segunda posição entre os estados da região Centro-Oeste a contribuir com a geração de emprego no país, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), vinculado ao Ministério do Trabalho e Previdência.

Isso significa que "naquela pequena portinha” do comércio, às vezes, pode ser o sustento de cerca de três famílias.

Parabéns, Mato Grosso, parabéns aos que assim como eu escolhemos morar aqui, e juntos construir um estado cada dia melhor!  

DAVID PINTOR é empresário e presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes de Mato Grosso (FCDL/MT).


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL