NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 10 de Agosto de 2022

AMBIENTE
Domingo, 17 de Julho de 2022, 08h:39

FILME REPETIDO

Pantanal começa a temporada mais seca do ano em estado de alerta

Desde janeiro, região perdeu mais de 123 mil hectares - aumento de 26% em relação ao mesmo período de 2021

Do Jornal Nacional
Divulgação
A preocupação é que as chamas se espalhem ainda mais a partir de agora

O Pantanal começa a temporada mais seca do ano em estado de alerta. 

Os incêndios de 2022 já destruíram uma área maior em relação ao mesmo período do ano passado.

A preocupação é que as chamas se espalhem ainda mais a partir de agora.

A linha de fogo e a cortina de fumaça vão longe. Dão a dimensão do incêndio no Pantanal do Nabileque, em Corumbá. Em terra, a sucuri escapou por pouco. Enquanto combatem as chamas, os bombeiros tentam amenizar o sofrimento da serpente.

Leia mais:

Baixa umidade do ar põe Mato Grosso em estado de atenção

Em uma fazenda da Nhecolândia, os peões retiraram o gado, mas o incêndio consumiu 1,5 mil hectares de pastagem.

“Apesar de estarmos com as cercas aceradas, que permitiu o controle do fogo, e a pastagem mais baixa, houve um prejuízo. Foi queimado mais de quatro quilômetros de cerca, com perda de mais de 700 postes”, contou o pecuarista Gilson Barros.

Desde janeiro, já são 717 focos de calor, e o Pantanal perdeu mais de 123 mil hectares, aumento de 26% em relação ao mesmo período do ano passado. O levantamento é do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da UFRJ e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

O mais preocupante é que esse ainda não é o pico da estiagem na região.

“É uma condição de solo muito seca, biomassa acumulada muito intensa, fora que a gente tem uma perspectiva da repetição pelo terceiro ano seguido do fenômeno La Niña, que é um fenômeno que já não se repete há três anos seguidos há 70 anos”, explica o diretor-executivo do SOS Pantanal, Leonardo Gomes.

Esse já é o quarto ano seguido sem cheia no Pantanal. Choveu abaixo da média de janeiro a maio, e em junho o volume não foi suficiente para amenizar o impacto da seca. Resultado: hoje é maior o risco de incêndios no bioma.

No Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, o Corpo de Bombeiros conta com apoio de um avião. Além do combate constante, outra preocupação é com o monitoramento para evitar que os focos se espalhem.

“As temperaturas elevadas facilitam a proliferação dos focos de incêndio por toda a região de vegetação. Com isso, o corpo de bombeiros criaram brigadas de incêndios florestais envolvendo os produtores rurais e fazendeiros, que estão ajudando grandiosamente no controle desses focos de incêndio”, diz Fábio Pereira Lima, major do Corpo de Bombeiros.

Leia mais AQUI.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Cuiabá flerta, cada vez mais, com o rebaixamento no Brasileirão. De quem é a culpa?
Do treinador
Da torcida
Dos cartolas
Dos jogadores
PARCIAL