NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

AMBIENTE
Sábado, 02 de Abril de 2022, 10h:30

CRIME AMBIENTAL

Onça morta no Pantanal era monitorada desde novembro de 2021

Polícia procura o homem que, em vídeo, aparece abraçado com o animal morto com um tiro na cabeça

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Reprodução/Instagram
Num vídeo que circula nas redes soiais, o atirador aparece ao lado da onça morta

A onça-pintada morta por um homem, nesta semana, no Pantanal, em Poconé (104 km ao Sul de Cuiabá), era monitorada pela Organização Não-Governamental (ONG) “Jaguar Identification Project”.

Morto com um tiro na cabeça, o felino se chamava “Queixada”.

Na sexta-feira (1º), a polícia fez diligências na região, a fim de localizar o suspeito.

Leia também:

Projeto identifica 405 nascentes com índice de degradação de 85%

“O vídeo desse homem covarde que vem circulando na internet com a onça morta é um dos machos conhecidos que monitoramos na pousada Piuval”, informa a ONG sem fins lucrativos que, desde 2000, atua para construir um banco de dados sobre onças individuais na região do Pantanal mato-grossense.

“Queixada, um jovem macho, foi visto, pela primeira vez, em novembro de 2021”, acrescenta.

O suspeito foi identificado como sendo o fazendeiro Benedito Rondon, que teve a prisão preventiva decretada e é considerado foragido.

“Este homem já foi denunciado à polícia e não haverá escapatória para suas ações”, disse a Jaguar Identification, em suas redes sociais.

Num vídeo que circula em aplicativos, como o Instagram e o WhatsApp, o atirador aparece ao lado da onça morta, com uma pistola em cima do corpo do animal.

Durante a filmagem, ele confessa o crime, dizendo que matou a onça no dia 27 de março e que o bicho já tinha matado 15 bezerros da sua propriedade.

No último dia 1º, policiais do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA) fizeram diligências para apurar o crime ambiental.

A ação policial aconteceu após diversas denúncias referenciadas e veiculadas em redes sociais, em que o suspeito ostentava uma onça pintada abatida com visível ferimento na cabeça.

Conforme informações da Polícia Militar, foi feito levantamento prévio, com as devidas coordenadas geográficas obtidas pelo cadastro ambiental rural (CAR) do suposto imóvel onde teria ocorrido o crime ambiental.

Os dados apontavam que se tratava da propriedade rural denominada Fazenda “Capão Bonito I”.

Diante disso, de pronto a equipe técnica de fiscalização foi até o imóvel com o objetivo de encontrar o fazendeiro, bem como vestígios mortais do animal referido. Já no local, os policiais militares fizeram buscas para encontrar proprietário, porém nada foi localizado.

Além disso, foi feito diligencias na região, bem como perguntado a transeuntes que se encontravam na região, porém não souberam responder sobre paradeiro do suspeito.

Atrelado a isso, ao ser realizado buscas pelas imediações da fazenda, não foi localizado o animal abatido, entretanto foi obtido êxito em encontrar uma espingarda calibre 22, com uma munição intacta num curral próximo a sede.

O armamento foi encaminhado para a Delegacia de Poconé.

O caso também é investigado pela Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema).

Veja vídeo:

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por SOS Pantanal (@sospantanal)


1 COMENTÁRIO:







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.

Osmar Junior   02-04-2022 20:01:42
Uma coisa é utilizar preservação ambiental para construir riquezas. Outra coisa é essas pessoas horríveis - parecem saidas do drama feios, sujos e malvados - nos envergonharem a nivel mundial pelo desrespeito às mais comezinhas regras de convivência social e respeito às boas práticas ambientais.

Responder

0
0



ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL