NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

AMBIENTE
Domingo, 17 de Abril de 2022, 07h:40

AMAZÔNIA LEGAL

MT reduz, mas lidera ranking de desmatamento pelo 3º mês consecutivo

Em março deste ano, 57 km2 da floresta amazônica foram desmatados no solo mato-grossense

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Sema-MT
Estudo mostra que a redução na vegetação florestal amazônica foi a maior entre as coberturas naturais dos biomas brasileiros

Pelo terceiro mês consecutivo, neste ano, Mato Grosso liderou o ranking de desmatamento na Amazônia Legal.

Em março, 46% de toda a destruição detectada no bioma, o que corresponde a 57 km2 devastados, ocorreram no Estado.

Além disso, cinco dos 10 municípios que mais desmataram ficam em solo mato-grossense.

Leia também:

Governo proíbe queimadas em Mato Grosso a partir de julho

Essas cidades são Nova Ubiratã, Juara, Feliz Natal, Porto dos Gaúchos e Juína, no Norte e Noroeste de Mato Grosso.

Juntos, elas somaram 35 km² de floresta destruída, 61% do registrado no Estado.

Porém, Mato Grosso reduziu em 72% a derrubada da floresta, se comparado ao mesmo período de 2021, quando 205 km2 foram desmatados.

Os dados constam no novo boletim do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgado no dia 14 deste mês.

De acordo com o Imazon, floresta a floresta amazônica perdeu, somente nos três primeiros meses de 2022, uma área equivalente ao território de Salvador, a 15ª maior capital do país.

No período, ao todo foram devastados 687 km², o segundo maior acumulado para o período em 15 anos, desde que a instituição iniciou seu monitoramento por imagens de satélite, em 2008.

Segundo o Imazon, o primeiro trimestre só não foi pior do que no ano passado, quando a derrubada da floresta chegou aos 1.185 km².

Na comparação com 2021, o acumulado deste ano foi 42% menor.

Isso porque, embora o instituto tenha registrado aumento no desmatamento em janeiro e em fevereiro, em março houve uma queda de 85%: a devastação passou de 810 km² em 2021 para 123 km² em 2022.

Porém, pesquisadores alertam que é muito cedo para celebrar.

“Essa redução ainda não é um motivo de comemoração, pois, em breve, entraremos no período seco, onde, historicamente, a derrubada da floresta tende a ser maior. O fato de termos no trimestre de 2022 a segunda maior área desmatada em 15 anos nos mostra que o desmatamento ainda segue em ritmo intenso na Amazônia”, afirmou Larissa Amorim, pesquisadora do Imazon.

Depois de Mato Grosso, o Estado com maior devastação em março foi o Pará, com 33 km2 (27%) derrubados, seguido de Roraima, com 13 km² (11%), e do Amazonas, com 12 km² (10%).   

Neste ano, o Governo de Mato Grosso promete investir cerca de R$ 60 milhões de investimento para aquisições e operações ambientais contra as queimadas e desmatamento ilegal.

Os investimentos estão divididos em sete áreas, sendo elas, gestão, monitoramento, responsabilização, fiscalização, prevenção e combate, proteção da fauna e comunicação.

Para o monitoramento, por exemplo, o investimento é de R$ 6,4 milhões, com o uso de imagens de satélite de alta resolução com alertas de desmate, sensoriamento remoto para exploração de madeira, e notificação de proprietários por degradações relacionadas aos focos de calor.

Também são previstos R$ 2 milhões para melhorias na atuação remota de desmates ilegais e incêndios, força-tarefa para julgamento das multas, inscrição de devedores na dívida ativa, novo sistema que torna digital o trâmite e julgamento dos autos de infração, e abertura de ações civis públicas contra infratores.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL