NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sábado, 25 de Junho de 2022

AMBIENTE
Terça-feira, 10 de Maio de 2022, 08h:50

NA AMAZÔNIA

Empresário lidera a corrida pelo ouro em TIs; MT na mira

Caçador de jazidas, Paulo Carlos de Brito Filho pode ser beneficiado com liberação de garimpos em TIs

Da Redação
Felipe Werneck/Ibama
A TI Kayapó, no PA, sofre com os efeitos da exploração de manganês. E a TI Sararé, em MT, está no alvo

Nos últimos 40 anos, as empresas da família de Paulo Carlos de Brito Filho fizeram 255 requerimentos para pesquisar minérios em áreas dentro ou no entorno de 42 terras indígenas.

Mais de 95% dos pedidos é para encontrar ouro na Amazônia.

Leia também:

Amazônia tem recorde de desmate em abril: mais de 1.000 km2 derrubados

Uma reportagem especial do site Repórter Brasil revela que as mineradoras Rio Grande, Silvana, Acará, Icana, Irajá, Tarauacá e Apoena, ligadas ao grupo Santa Elina, respondem por 8% dos cerca de 3.100 pedidos de lavras e pesquisas minerais em áreas sobrepostas a territórios indígenas, ou na fronteira deles, segundo a Agência Nacional de Mineração (ANM). 

O levantamento foi feito pela ANM a pedido da Repórter Brasil em março, às vésperas de os deputados federais aprovarem urgência na tramitação do PL 191/2020, o projeto de lei que tenta liberar atividades econômicas em terras indígenas.

Em meio a protestos, o PL perdeu apoio no Congresso, mas o assunto pode voltar a qualquer momento. Se aprovada mais essa “boiada ambiental”, quem sai na frente hoje é o grupo Santa Elina. 

O grupo já tem lavras concedidas para prospectar ouro no entorno das Terras Indígenas Sararé, no Oeste de Mato Grosso, e Kayapó, no Pará, de acordo com o levantamento da ANM. 

Leia AQUI a íntegra da reportagem.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Os casos de infecção por Covid voltaram a crescer em Mato Grosso. De quem é a culpa?
Do Poder Público, que "liberou geral" quando a pandemia diminuiu
De parte da população, que desconsiderou a necessidade da vacinação
Da Saúde Pública, que não intensifica campanha de conscientização
Das prefeituras, que decretaram o fim da obrigatoriedade das máscaras
PARCIAL