NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 10 de Agosto de 2022

AMBIENTE
Terça-feira, 26 de Julho de 2022, 09h:00

RISCO DE FOGO

As queimadas se alastram com a temporada de seca em Mato Grosso

Na região do Lago de Manso, na MT-351, fogo chegou a consumir a vegetação seca por há três dias

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem
Canal Rural
Assim como os desmatamentos no Estado, as queimadas se concentraram em propriedades particulares

Com a estiagem associada à baixa Umidade Relativa do Ar (URA), as queimadas têm sido cada vez mais frequentes em Mato Grosso.

Tanto que frequentadores de áreas de lazer e pousadas, localizadas na região do Lago de Manso, na MT-351, precisaram ser evacuados às pressas, no último domingo (24), após serem surpreendidos por intensas chamas que consumiam a vegetação alta e seca, nos últimos três dias.

Um desses pontos turísticos foi o Acqua Park.

Por lá, o fogo assustou visitantes e banhistas mobilizando equipes do Corpo de Bombeiros. Apesar do susto, não houve feridos.

Leia também:

Pantanal começa a temporada mais seca do ano em estado de alerta

De acordo com informações de populares, o fogo estava ativo havia pelo menos três dias e vinha ameaçando as propriedades rurais, ao longo da Estrada de Manso, que leva ao lago.

No domingo, as chamas se alastraram.

Vídeos que circularam pela internet mostram vários banhistas do parque assustados e buscando se afastar ou recolhendo pertences preocupados com a possibilidade de as chamas atingirem a área de lazer.

Em dado momento, a gravação mostra a fumaça preta se levantando até o céu e que podia ser vista de longe.

Para controlar as chamas, foram empregados 21 militares e utilizados aproximadamente 50 mil litros de água.

Também houve o apoio do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e de uma aeronave estilo Air Tractor, da Defesa Civil.

Após o intenso trabalho, a queimada foi totalmente controlada.

Até o fim da manhã de segunda-feira (25), não havia informações sobre as causas do fogo.

Mas, o tempo seco e a baixa umidade relativa do ar devem ter contribuído para a propagação das chamas.

Além da vegetação, também foram registradas rachadas de vento que chegaram a 40 km por hora, favorecendo o alastramento do fogo, conforme informações do comandante do Batalhão de Emergências Ambientais (BEA), tenente-coronel Jusciery Marques.

Ainda na segunda pela manhã, as equipes de bombeiros permaneciam na região para rescaldo e monitoramento.

Vale lembrar que, no Estado, o período proibitivo do fogo começou no último dia 1º de julho e segue vigente até o próximo dia 30 de outubro.

No período, fica proibido o uso de fogo em áreas rurais para limpeza e manejo durante esses meses, levando em consideração o risco de incêndios florestais de grandes proporções. Em áreas urbanas, o uso do fogo é proibido durante todo o ano.

O CB também tem desenvolvido a operação “Abafa 2022” para prevenir e combater os incêndios florestais, bem como responsabilizar os autores de infrações e crimes ambientais relacionados ao uso irregular do fogo.

DADOS – Desde o início de janeiro deste ano, Mato Grosso registra 8.080 focos de calor, o que representa um aumento de 18%, se comparado do mesmo período do ano passado, quando foram detectados 6.802 focos, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No Estado, os municípios com maior número de focos são Feliz Natal (482 ocorrências), Nova Ubirantã (480), União do Sul (397), Nova Maringá (391), Tangará da Serra (376) e Marcelândia (319).


1 COMENTÁRIO:







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.

Maxwell Teixeira  26-07-2022 16:14:17
Estamos na temporada do fogo.

Responder

0
0



ENQUETE
Cuiabá flerta, cada vez mais, com o rebaixamento no Brasileirão. De quem é a culpa?
Do treinador
Da torcida
Dos cartolas
Dos jogadores
PARCIAL