NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020
POLÍTICA
Sábado, 29 de Fevereiro de 2020, 17h:35

APRENDIZ

Ex-presidente da Câmara de Cuiabá quer tirar tornozeleira

RODIVALDO RIBEIRO
Da Reportagem

Arquivo/DC

A4-C.jpg

 

Ex-presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, João Emanuel Moreira Lima entrou com um pedido na Segunda Vara de Execuções Penais para tentar suspender as execuções provisórias de suas penas impostas, além de imediata suspensão do regime semiaberto e retirada da tornozeleira eletrônica. A liminar foi impetrada nesta Quarta-feira (26) de Cinzas e enviada quinta-feira (27) à manifestação do MPE (Ministério Público Estadual), cujo prazo é de cinco dias corridos.

A defesa do ex-vereador fia-se em outras decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) que fixaram o entendimento de que o artigo 283 do CPC (Código de Processo Penal) é constitucional e consolidaria a ideia de que condenações penais podem ser executadas somente após o trânsito em julgado da sentença, "prestigiando o Princípio Constitucional da Presunção de Inocência (CF, art. 5º, LVII)".

E mais: João Emanuel não teria qualquer sentença condenatória transitada em julgado e isso seria razão suficiente para aplicação do efeito vinculante, de modo que a Suprema Corte suspenda imediatamente a execução da pena com aproveitamento do tempo já cumprido no cárcere, mais o do passado em casa, em regime semiaberto, quando enfim chegar o tal trânsito em julgado e possível cumprimento efetivo da pena, com posterior fixação de regime inicial.

O ex-vereador e ex-genro de José Geraldo Riva foi preso sob acusações de corrupção, improbidade administrativa e outros crimes no âmbito da Operação Aprendiz — numa alusão feita e assumida pelo Gaeco (Grupo de Apoio Especial de Combate ao Crime Organizado) ao parentesco da época entre os dois.

Naquela ocasião, João Emanuel fora condenado a 11 anos e 11 meses de cadeia, cumpriu dois anos e meio no CCC (Centro de Custódia de Cuiabá), mas logo obteve progressão para o regime semiaberto, desde fevereiro do ano passado, porém mediante outras medidas diversas da prisão, como o monitoramento eletrônico, proibição de frequentar bares e festas públicas, além da obrigação de ficar em casa entre as 22h e as 06h, de não portar arma e, claro, cometer novos crimes ou contravenções.

"Pedimos que sejam suspensas as execuções provisórias das penas, com imediata suspensão do regime, inclusive com a remoção de equipamento de monitoramento eletrônico. Destarte, certos do elevadíssimo senso de justiça e comprometimento com a defesa da Constituição, das leis e sendo, por certo, grande estudioso dos precedentes no direito, pedimos e esperamos deferimento, como forma de justiça", escreveu a defesa.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
MT terá eleições simultâneas para vereador, prefeito e senador? Você já escolheu seus candidatos?
Sim
Não
Vou anular os votos
Nenhum dos candidatos presta
PARCIAL