Sábado, 23 de março de 2019 Edição nº 15006 28/06/2018  












O custo de não planejar

O atraso em obras da Copa que, previstas para terem sido concluídas ainda em 2014, se arrastam até hoje na Capital, é o resultado de duas práticas danosas, tipicamente brasileiras, que servem de alerta para os gestores públicos: iniciar serviços sem recursos assegurados e realizá-los sem um planejamento adequado. Esse tipo de comportamento, comum em todo o país, evidencia que, há muito, a Prefeitura, como de resto o Estado e o governo federal, trabalham mais para manter a própria máquina, não para reverter impostos em obras em benefício dos cidadãos. Por isso, é preciso dar um fim a esse desperdício descontrolado de dinheiro público. A situação só se mantém por falta de uma cobrança mais efetiva por parte dos contribuintes, diretamente ou por meio dos órgãos de fiscalização. Leia mais...

18:32 Justino deve lançar Saad candidato
18:28 Taques lança concessão e rebate críticas
18:28 Justiça eleitoral investiga segurança de Selma Arruda
18:24 Alckmin em Cuiabá na próxima semana
18:24 PSDB deve repassar R$ 1,8 mi para campanha de Taques


18:14 Colômbia avança e Senegal cai no desempate dos cartões
18:14 Japão perde e classifica por diferença de cartões
18:13 Tunísia vira sobre o Panamá e
18:13 Bélgica entra na rota do Brasil
17:52 AL quer mexer no bolso dos deputados
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°
TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018