NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Domingo, 12 de Julho de 2020
ILUSTRADO
Sábado, 30 de Maio de 2020, 00h:00

SÉRIE-CRÍTICA

"I Know This Much is True" traz Mark Ruffalo em sua melhor atuação

O programa é muito bem produzido e mostra cuidado com o cenário, a música, a iluminação, todos sufocantes. De quebra, tem o melhor trabalho de Mark Ruffalo até agora, seja na TV, seja no cinema.

TETÉ RIBEIRO
Da Folhapress - São Paulo
Mark Ruffalo em ' I Know This Much is True'

Na primeira cena do primeiro episódio de "I Know This Much is True", Thomas, um dos irmãos gêmeos interpretados por Mark Ruffalo, está em uma biblioteca falando alto e chamando a atenção dos outros frequentadores. Até que, para horror de todos, tira uma navalha e decepa sua mão direita. É assim, com passagens angustiantes, que a história dessa ótima série dramática é contada.

Talvez o momento não seja ideal para lançar um produto tão sinistro como esse, mas quem der uma chance ao primeiro episódio vai ficar interessado até o fim. O programa é muito bem produzido e mostra cuidado com o cenário, a música, a iluminação, todos sufocantes. De quebra, tem o melhor trabalho de Mark Ruffalo até agora, seja na TV, seja no cinema.

Tecnicamente apurada, "This Much..." conta uma história triste e profunda sobre a batalha de um par de gêmeos idênticos que nasceram em uma família cheia de segredos. No presente, que na série é o fim dos anos 1990, aos 40 e poucos anos, Thomas é esquizofrênico, enquanto Dominick é um homem angustiado que se sente em eterna dívida com o irmão.

A mãe dos dois (Melissa Leo, ótima) nunca revelou a identidade do pai. O padrasto controlador e abusivo pegava no pé de Thomas na infância, pois o considerava fraco. Décadas depois, quando a trama se passa, Dominick tem uma vida estável comparada com a de seu irmão, que vive em uma instituição para doentes mentais. Até que acontece o incidente de abertura da série.

Depois de passar por um hospital, Thomas é levado para um manicômio judiciário e tirá-lo dali vira a obsessão de Dominick. A diferença entre Thomas e Dominick não está apenas no fato de o ator ter convencido os produtores da série a fazer um intervalo de sete semanas para poder engordar 13 quilos e voltar para interpretar o irmão esquizofrênico.

A atuação dele é tão primorosa que Thomas e Dominick têm vozes diferentes, expressões diversas, posturas próprias. Não há o menor risco de o espectador confundir um e outro, ou, mais grave ainda, perceber que os dois são interpretados pelo mesmo ator. Por mais que a minissérie seja sombria, testemunhar o enorme desafio encarado por Mark Ruffalo é um prazer.

Baseado no romance de 1998 da escritora americana Wally Lamb ("Eu Conheço a Verdade" e "Ela é Desfeita"), o enredo em seis capítulos de mais ou menos uma hora cada, que a HBO vem botando no ar semanalmente, é narrado por Dominick, o protagonista, em sua saga para libertar o irmão da prisão. Dominick também tem um passado cheio de sofrimento e um casamento desfeito por causa de uma tragédia.

Atualmente, ele tenta explicar para a assistente social da prisão (Rosie O'Donnell, que está muito bem) porque Thomas não deve estar ali, e a partir dessa passagem o personagem principal guia o espectador por memórias do passado. A série viaja por flashbacks até a infância dos irmãos e o tempo em que passaram juntos na universidade, para dar elementos que explicam o que pode ter provocado a circunstância atual.

E o que levou Dominick a se tornar um homem raivoso, circunspecto, que não consegue conviver em paz com sua namorada atual, Joy, uma menina mais nova e animada (Imogen Poots). Ele ainda alimenta a esperança de se reunir com sua ex-mulher, Dessa (Kathryn Hahn, de "Transparent").

A série foi toda escrita e dirigida por Derek Cianfrance ("O Lugar Onde Tudo Termina", "A Luz Entre os Oceanos", "Namorados Para Sempre") e captada em filme mesmo, como se fazia antes das câmeras digitais tomarem conta da indústria. Ter apenas um roteirista e diretor garante consistência ao programa, é de verdade um produto autoral, que se baseia tanto nas ideias de Cianfrance quanto na atuação de Mark Ruffalo.

O resto do elenco também é forte, dá para perceber que tem direção de atores e um bom trabalho de casting por trás. Juliette Lewis faz uma participação interessante. "This Much..." não é exatamente uma série agradável de se assistir, é muitas vezes incômoda, aflitiva, mas vale o desconforto. Mesmo nessa época em que talvez muita gente não esteja a fim de se envolver com tanta desgraceira. Esse é um programa raro.

 

I KNOW THIS MUCH IS TRUE

Quando: próximo episódio (quarto de seis) neste domingo (31), a partir das 22h

Onde: HBO

Elenco: Mark Ruffalo, Melissa Leo, John Procaccino

Produção: minissérie em seis episódios

Direção: Derek Cianfrance

Avaliação: muito bom

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você acha da decisão da CPI do Paletó de pedir o afastamento do prefeito?
Ele tem que ser afastado
Ele tem que ser cassado
Ele é inocente
Tanto faz
PARCIAL