NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020
ILUSTRADO
Sábado, 01 de Agosto de 2020, 00h:00

TELEVISÃO

"Hebe" na Globo: o que a série tem que o filme não mostrou

Produção sobre a apresentadora mais emblemática do país está sendo exibida desde quinta-feira

Da Folhapress - São Paulo
Andrea Beltrão em Hebe

Pela primeira vez, a televisão aberta irá conhecer, de fato, quem foi Hebe Camargo, para além dos holofotes, do tradicional sofá e da plateia que tanto marcaram seus programas. Desde quinta-feira (30), após Fina Estampa, a série Hebe está sendo exibida na Globo com um episódio por semana para mostrar os momentos marcantes da vida de uma das apresentadoras mais icônicas do Brasil.

O seriado não é inédito: foi lançado no final do ano passado no Globoplay, sendo um braço do filme Hebe - A Estrela do Brasil (2019), escrito por Carolina Kotscho e dirigido por Maurício Farias. Porém, os 10 capítulos (que incluem Maria Clara Abreu na direção) não são apenas um compilado do longa-metragem. Pelo contrário: abordam de forma muito mais aprofundada a carreira, a intensidade, a potência e as inseguranças de quem virou um sinônimo da comunicação.

Uma das principais diferenças entre as duas produções é o recorte: o filme mostra somente o período de alguns anos a partir de 1985, quando Hebe troca a Bandeirantes pelo SBT após ser abalada pela censura, depois de abordar em seus programas temas como feminismo, sexo e homossexualidade. Já a série faz um panorama geral da apresentadora, desde o início da carreira até a descoberta do câncer que a vitimou em setembro de 2012, aos 83 anos.

“Eu me apaixonei por ela. Pela coragem de ser quem ela era, com todos os limites, dificuldades, inseguranças. Falando muita besteira, muitas vezes, errando muito, mas também não tendo vergonha de errar”, disse Andrea Beltrão, que encarnou Hebe na fase mais madura no filme e na série, durante coletiva virtual com o elenco e a equipe.

Confira cinco momentos que a série tem e o filme não tem (ou não enfatiza):

1 - Ingênua e cantora

A série resgata, de maneira não linear, diversos momentos da trajetória de Hebe através de um fluxo de memória da própria artista. Por conta disso, o seriado passeia pelo passado, presente e futuro da apresentadora. Para isso, uma nova atriz foi adicionada ao elenco. Valentina Herzsage vive a apresentadora durante a juventude.

O público tem a oportunidade de conhecer uma Hebe de origem pobre, que largou os estudos para se dedicar à carreira artística e ajudar a família nas despesas da casa. Uma figura que, aos 14 anos, tinha um perfil bem mais ingênuo daquele que preenchia a casa das pessoas, todas as noites, pela televisão.

Há também um destaque bem maior na série para o início de sua carreira, que começou na música e, depois, se esparramou para o rádio. No filme, sua vertente de cantora é mostrada em menos de um minuto.

 

2 - A atuação de Valentina

Valentina Herzsage se destaca na série não só pela semelhança física com jovem Hebe, de cabelos escuros e sobrancelhas grossas. A atriz já havia participado da novela Pega Pega (2017) e de produções no cinema. Mas, em Hebe, ela brilha ao viver a apresentadora dos 14 até os 25 anos (de 1943 a 1954), uma pessoa cheia de sonhos e calejada pela infância sofrida.

Foi necessária preparação específica para que houvesse uma sintonia entre Valentina e Andrea: “Eu assisti a algumas gravações do filme. E depois a Andrea me encontrou e a gente brincou juntas. Fizemos uma lista de gestos que a gente podia nos encontrar nos detalhes. Como segurar o bebê no colo, chorar, a gargalhada, que foi o momento mais difícil”, lembrou Valentina na entrevista.

 

3 - Relações abusivas

Além de mostrar exuberância de Hebe que todo mundo conhece, com microfone na mão, radiante, carregada de joias e casacos de pele, a série também revela uma espécie de "lado B" da artista, que incluem seus conturbados romances.

O filme até toca no namoro de Hebe com Luís Ramos (Daniel de Oliveira), seu primeiro amor, e nos casamentos com Décio Capuano (Gabriel Braga Nunes) e Lélio Ravagnani (Marco Ricca), mas a série se aprofunda na fragilidade da artista perante os relacionamentos.

Ao falar de Ramos, por exemplo, é citado o aborto que Hebe fez ao ficar grávida do empresário aos 18 anos. A cena é mesclada com a reprodução da entrevista da apresentadora ao programa Roda Viva (1987), onde ela fez a revelação do episódio e aproveitou para defender a descriminalização do aborto.

A série também revela uma Hebe frágil e dependente à figura dos maridos, que sempre deixaram claro o desgosto pela fama da esposa. Com Lélio, a apresentadora chegou a viver episódios de violência doméstica. É o típico retrato de uma geração machista, quando homens não aceitavam que mulheres estivessem acima deles, seja nas finanças ou no trabalho.

“Eu falei com algumas pessoas que conheceram o Lélio. E elas falaram que ele era muito agressivo, muito desrespeitoso com a Hebe e com o filho dela. Tudo isso marca muito uma geração, uma época. O Lélio tinha esse reacionarismo”, contou o ator Marco Ricca.

 

4 - O câncer e a peruca

Os últimos anos de vida da Hebe, com a descoberta do câncer no peritônio, o tratamento com quimioterapia e as últimas aparições na TV, são destaque no final do seriado. Durante entrevista ao programa de Marília Gabriela em 2010, ela explica o porquê resolveu usar peruca - e como ficar careca abalou sua vaidade. A famosa frase sobre a morte que Hebe disse à jornalista também é marcada na produção: "Eu não tenho medo de morrer. Eu tenho peninha".

 

5 - História da TV e do Brasil

Trechos das entrevistas para o De Frente com Gabi foram reproduzidos no seriado, mas outros momentos marcantes da televisão são mostrados em Hebe. Entre eles, sua entrevista ao Programa do Jô, em 1993, e uma homenagem que recebeu no Domingão do Faustão, em 2010, quando a apresentadora comemorou estar na Globo, emissora onde nunca trabalhou.

É bonito de ver como a história do Brasil e de Hebe se misturam. A apresentadora protagonizou diversos levantes contra quem comandava o país, desde o período da Ditadura Militar até a redemocratização, na década de 1980.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O Brasil já ultrapassou as 100 mil mortes pela Covid-19. Para você, quem tem culpa?
O presidente Jair Bolsonaro
Os governadores
Os prefeitos
Ninguém. A doença é incontrolável
PARCIAL