NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020
ILUSTRADO
Quarta-feira, 14 de Março de 2018, 02h:02

ANIMAÇÃO/CRÍTICA

'Duda e os Gnomos' não foge dos estereótipos

MARINA GALEANO
Da Folhapress - São Paulo
Sentada no banco de trás do carro, com os olhos vidrados na tela do celular, a garotinha de cabelo rosa parece alheia a outra mudança de cidade, de casa, de escola. "O lar é onde está o coração", sugere a trilha sonora, antes de mãe e filha estacionarem o veículo em frente a uma mansão mal-assombrada. Após essa breve apresentação, não é preciso grande esforço para adivinhar os rumos de "Duda e os Gnomos", animação insossa dirigida por Peter Lepeniotis, animador canadense que também assina o morno "O que Será de Nozes" (2014). A história de Duda - que se chama Chloe na versão original -, discorre sobre as dificuldades enfrentadas pela criança diante de um novo (e às vezes hostil) ambiente: se adaptar, fazer novas amizades etc. Tema bastante habitué em filmes infantojuvenis, diga-se. Porém, enquanto uns conseguem fugir do óbvio - "Divertidamente" (2015), dos estúdios Disney, talvez seja o melhor exemplo -, outros se agarram aos estereótipos e insistem no mesmo viés. Sabe-se lá o motivo, a mãe de Duda não aquieta em lugar nenhum. As duas ficam pulando de cidade em cidade e, por isso, a menina sofre para levar uma vida normal. Vive sozinha, sem amigos. Tenderville, o próximo destino da dupla, tampouco parece promissor. Em um casarão abandonado, meio caindo aos pedaços, uns gnomos estranhos espalham-se pelos cômodos. Apesar de terem potencial, as criaturas fantásticas não acrescentam muito à narrativa. Bem caracterizados e expressivos, os simpáticos baixinhos de chapéus vermelhos e pontudos participam de uma subtrama enfadonha sobre portais e seres malignos que não inspiram medo algum. Um desperdício. Enquanto precisa ajudar os tais gnomos, Duda luta para ser aceita na escola; fazer parte da seleta turma das garotas populares, que mascam chiclete compulsivamente e não largam seus smartphones nem por um minuto (sim, há inúmeras alfinetadas à relação de dependência entre os jovens e a tecnologia). Mas é Liam, um nerd histérico e irritante, quem vai ensinar à protagonista o sentido real da palavra amizade. Juntos, os dois embarcam numa corajosa jornada para livrar o "gnomundo" da ameaça dos troggs. Ou, principalmente, para se livrarem da ameaça da solidão. E assim, cheia de fios soltos e clichês por todos os cantos, a animação "Duda e os Gnomos" se desenrola durante longos 85 minutos, projetando na tela aquilo que grande parcela do público já havia sido capaz de antecipar. DUDA E OS GNOMOS (GNOME ALONE) DIREÇÃO Peter Lepeniotis PRODUÇÃO Canadá/EUA/Reino Unido, 2017, livre QUANDO estreia nesta quinta (1º) AVALIAÇÃO ruim

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL