NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020
ESPORTES
Terça-feira, 26 de Junho de 2018, 19h:02

SÉRVIA

Rival mistura geopolítica com futebol na arquibancada e no campo

Futebol e política sempre se misturam. É assim na Sérvia, rival do Brasil nesta quarta-feira (27), às 14h, pela última rodada do Grupo E da Copa do Mundo. Neste Mundial, os dois jogos disputados pela seleção europeia tiveram atos e punições que extrapolaram as quatro linhas do campo. Logo após a estreia dos sérvios no Mundial da Rússia, a Fifa puniu a federação local por causa do comportamento dos seus torcedores. Durante a vitória contra a Costa Rica, por 1 a 0, os torcedores exibiram uma bandeira ofensiva com teor político, cujo conteúdo não foi revelado pela federação internacional, na arquibancada. A multa imposta foi de R$ 40 mil. A punição foi a primeira imposta na Copa pelo grupo de observadores do combate à discriminação da Fifa. Desde 2015, o órgão tenta implementar uma série de medidas contra a discriminação e promover a diversidade no futebol. Na partida seguinte, os sérvios foram provocados na derrota para a Suíça, por 2 a 1. Autores dos gols da vitória, Granit Xhaka e Xherdan Shaqiri foram os jogadores mais vaiados no início do jogo, mas deram a resposta em campo. De origem kosovar, os dois irritaram os torcedores adversários ainda mais. Eles comemoraram os gols fazendo um sinal alusivo à águia de duas cabeças, símbolo da Albânia, origem étnica da maioria dos kosovares que lutaram na guerra de independência, no fim dos anos 1990, contra o domínio sérvio e a limpeza étnica praticada promovida por eles. Cada jogador foi punido pela Fifa com uma multa de R$ 38 mil. Lichtsteiner, que não tem ligação com o Kosovo mas imitou o gesto dos companheiros, foi multado com a metade do valor. Até o técnico da Suíça, o bósnio Vladimir Petkovic, reprovou a atitude dos dois jogadores. "É claro que [na comemoração] as emoções aparecem. Nós todos precisamos deixar a política de lado no futebol. Nós precisamos focar no futebol, que é uma coisa que une as pessoas. Como eu disse antes, você nunca deve misturar política com futebol. É importante mostrar respeito", disse o treinador. Autor do gol da vitória, Shaqiri nasceu no Kosovo. Na partida, ele jogou com uma bandeira do país em um dos pés da chuteira; no outro, a da Suíça. Jovan Surbatovic, secretário-geral da federação sérvia, reclamou das chuteiras e tentou convencer o árbitro a obrigar o jogador a trocá-las. "Foi uma provocação. Estávamos jogando contra a Suíça, não contra Kosovo", afirmou. A Albânia e o Kosovo são membros da Fifa e suas bandeiras são rotineiramente exibidas em jogos internacionais. A Sérvia não reconheceu a declaração de independência de Kosovo em 2008. Os nacionalistas sérvios consideram Kosovo como o lugar de nascimento de sua cultura. Sérvia e Albânia são inimigas históricas. As tensões se tornaram mais graves após a guerra, que teve início após a extinção da Iugoslávia. A primeira Copa disputada pela sérvia foi a da Alemanha, em 2006. Na ocasião, o país jogou o Mundial como Sérvia e Montenegro. Pouco mais de uma semana antes do início do Mundial houve a independência de Montenegro, criando duas nações diferentes. Mesmo assim, os dois países jogaram juntos pois assim haviam disputado as eliminatórias. Além disso, Montenegro ainda não tinha uma federação.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Como você vê as acusações entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro sobre o caos na pandemia?
O governador é o culpado
O prefeito da Capital também tem culpa
Essa briga prejudica as ações de combate à Covid-19
É uma disputa político-eleitoral
PARCIAL