BEBIDA - Dá energia, tira fome e prolonga vida


“O guaraná é bom para tudo”. A afirmação é de Julieta Joaquim Loureiro, de 80 anos, uma simpática senhora que há duas décadas vende o produto na sala de casa, no centro de Cuiabá. E os fregueses garantem ser este o melhor guaraná daqui. A diferença entre o produto vendido por ela e outros é que dona Julieta oferece tanto o ralado como o de bastão. Se o comprador quiser, o guaraná é ralado na hora. Mas talvez pela facilidade, a maioria prefere o guaraná em pó. Afinal, nem todos conseguem tempo para transformar o bastão em pó, o que geralmente leva preciosos minutos.

Os aposentados, estes sim, já conquistaram um tempinho para ralar o guaraná em bastão. É o caso de Odácio Lucas de Amorim, de 63 anos, que toma a bebida há mais de 50 anos. “Se eu estou nervoso, com fome, acaba tudo”, conta. Ele é um dos fregueses assíduos de dona Julieta. “Eu compro aqui há mais de dez anos, ela conhece a fundo”.

Outro aposentado que não fica sem o guaraná é Júlio Costa, 80 anos. Ele diz que adora a bebida porque é fresca. E mesmo com essa idade, demonstra muita disposição. “Compro o guaraná em bastão e ralo”.

Além de ser apontada no estudo da UP-Unidade de Pesquisa como a bebida que mais parece com Cuiabá, o guaraná também já foi instituído como a bebida símbolo do Estado de Mato Grosso. A lei é do deputado Zé Carlos do Pátio (PMDB) e foi promulgada em 16 de fevereiro deste ano. Uma das justificativas do deputado para o projeto é que o guaraná é um símbolo incontestável como representante da cultura mato-grossensse.

Mas quais são mesmo as qualidades desse produto que, segundo a pesquisa, é a bebida que tem a “cara” de Cuiabá?. A reportagem foi conversar com cuiabanos tradicionais e anônimos e ainda procurar em livros algumas informações sobre o produto.

Na opinião dos entrevistadas o guaraná “tira a fome, o sono, aumenta a longevidade, dá muita energia, combate a prisão de ventre e ainda trata a enxaqueca”. E a literatura reafirma as qualidades apontadas pela sabedoria popular. A bebida é estimulante da circulação sangüínea de todos os órgãos do corpo, inclusive os sexuais, por isso é conhecido como afrodisíaco.

Outras propriedades: tônico dos músculos, dos rins, do coração e dos vasos sanguíneos. Estimula a renovação das células, mantendo a aparência sempre jovial e prolonga a vida. Elimina o excesso de glicose e colesterol. É poderoso estimulante da circulação sangüínea. Equilibra o funcionamento do estômago e do intestino e ainda disciplina o apetite, facilitando o controle do peso.

Embora alguns digam que o guaraná não tem contra-indicação, é bom não exagerar na dose. O ideal, segundo os entendidos no assunto, é tomar a bebida duas vezes ao dia, de preferência no início da manhã e logo após o almoço. E para quem sente aceleração cardíaca ao tomar a bebida, é melhor evitá-la. A aposentada Julieta Loureiro afirma que “não é aconselhável aos agitados”.

E o preparo? Depende muito do gosto de cada um. O mais usual é misturar uma colher de pó do guaraná com duas colheres de chá de açúcar para um copo pequeno de água. Em tempos modernos, pode-se trocar o açúcar por adoçante. E para quem preferir, a bebida pode ser adoçada com mel de abelha.




COMIDA - A saborosa mistura de peixe e mandioca
BEBIDA - Dá energia, tira fome e prolonga vida
Lenda diz que planta nasceu após morte de Cereçaporanga
RUA - Marcos da história e do dia-a-dia
PERSONALIDADE - Do sacerdócio para o colunismo social
ESTILO DE MÚSICA - Rasqueado selou paz entre países
BAIRRO - Moradores do Porto cultivam nostalgia
Lei que criou bairro desobedeceu a tradição
FESTA - São Benedito é a festa preferida
Preparativos incluem eventos que resgatam atos tradicionais
SANTO DE DEVOÇÃO - São Benedito, o protetor da cidade
Devoção ao santo atravessa gerações inteiras
LUGAR - Mercado renasce como cartão postal
ESPORTISTA - Jorilda Sabino, a “Cinderela Negra”, sente saudades
TIME DE FUTEBOL - O Feminino extrapolou e virou Mixto
Filha do zelador do Dutrinha, Nhá Barbina tomou gosto pelo futebol
Time que esteve entre os melhores do Brasil hoje vive a decadência
ARTISTA - Nem morte faz Cuiabá esquecer Liu