O eterno protagonista da História


Barcos ancorados no cais do bairro do Porto, na década de 20: corredor fluvial tornou viável a colonização
Na história da consolidação do território mato-grossense, o rio Cuiabá sempre foi protagonista. De fonte de sustento dos índios paiaguás a principal destino do esgoto de uma cidade com 800 mil habitantes, o velho rio e sua saga contam três séculos de invasão, conquista, vida e morte. “Se não houvesse o rio Cuiabá, a tentativa de povoar essa região teria resultado em desastre”, garante o historiador Lenine de Campos Póvoas, autor de “História Geral de Mato Grosso”.

Segundo ele, toda a conformação territorial do oeste brasileiro está ligada aos rios. Dois séculos antes da chegada das bandeiras paulistas a Mato Grosso, já havia espanhóis explorando a região, em busca de rotas mais seguras rumo ao território peruano. “E o caminho que eles utilizavam era o fluvial”, conta.

Quando vieram, no início do século 18, os paulistas buscavam escravos e ouro. Póvoas conta que as bandeiras só foram viabilizadas pela existência de uma rota fluvial partindo de São Paulo rumo ao centro do país. “Em São Paulo, ao contrário dos outros estados do litoral, os grandes rios caminham da Serra do Mar para o interior, ou seja, eles foram feitos para ajudar o conquistador”.

Saindo do rio Tietê, as expedições geralmente seguiam pelos rios Pardo, Taquari e Paraguai, rumo a territórios repletos de povos indígenas – escravos em potencial – e ouro. Repleta de perigos e obstáculos, a jornada durava cerca de seis meses. Algumas comitivas chegavam a ter 400 pessoas. “Muitos trechos de cachoeiras tinham que ser cumpridos a pé, carregando as embarcações nas costas”.

O primeiro a dar notícias sobre esta região foi o bandeirante Antônio Pires de Campos que, em 1718, explorou o ribeirão Mutuca e o rio Coxipó até o encontro com o Cuiabá. “Naquela época, o rio, que não era esse esgoto de agora, permitia embarcações grandes, os chamados batelões”, conta Póvoas. “Mas Pires de Campos não encontrou o ouro, só índios”.

Mais sorte teve Pascoal Moreira Cabral. Em 1719, sua bandeira descobriu ouro no rio Coxipó, dando partida à ocupação do território mato-grossense. Nascia ali o Arraial da Forquilha (hoje o distrito de Coxipó do Ouro).

Em 1722, uma descoberta mudaria os rumos da história e o destino do rio Cuiabá. “Miguel Sutil construiu sua casa às margens do rio Cuiabá. Certo dia, ao ver que faltava açúcar, pediu os índios lhe trouxessem mel. Eles trouxeram ouro”, conta Póvoas. “Ele havia encontrado uma das maiores jazidas de ouro de todo o mundo”.

Com a descoberta das novas jazidas, a povoação inicial foi gradativamente se mudando para a região do rio Cuiabá. “A partir do córrego da Prainha, onde estavam as lavras do Sutil, uma cidade começou a se constituir rumo ao Porto”.

Em condições extremamente desfavoráveis aos colonizadores, os rios fizeram a diferença. Todo o comércio com São Paulo era feito por meio do Paraguai, o Cuiabá, o Vermelho e o São Lourenço. “Eram a espinha dorsal de Mato Grosso”, diz Póvoas.

Pelo rio Cuiabá, chegavam escravos, alimentos, remédios e roupas, além de novos exploradores, interessados não só nas jazidas de ouro, mas nas terras férteis da região do rio abaixo. “O rio Cuiabá, após suas enchentes, deixava grandes campos fertilizados e propícios à agricultura. Era um terreno muito produtivo, uma réplica do que acontece no rio Nilo, no Egito. As beiras do rio foram se povoando nesta época e, mais tarde, surgiriam ali muitos engenhos de açúcar e fazendas de gado”.

Em meados do século 18, já havia indícios de que aquela ocupação não seria transitória, ajudando a consolidar a porção portuguesa das terras do “novo mundo”. “Quando o vice-reinado do Prata foi se dividindo (Argentina, Paraguai e Uruguai), o Brasil já tinha sua unidade garantida, graças aos rios, inclusive o Cuiabá”, lembra Póvoas.

Como meio de comunicação com os grandes centros políticos e econômicos do litoral, os rios perderam importância no final do século 18. Segundo Póvoas, a longa duração das expedições fluviais (que só permitiam o abastecimento de Mato Grosso duas vezes ao ano) e os cada vez mais freqüentes ataques dos índios paiaguás forçaram os colonizadores a buscar rotas terrestres até o litoral - cortando o território de Goiás.

A assinatura de um tratado bilateral, em 1856, faria novamente deslanchar a hidrovia do Prata, em franca operação até o início do século 20 (ver matéria). Por outro lado, o desenvolvimento do núcleo urbano começou a exigir mais do rio como fonte de água, alimento e via de escoamento dos dejetos. Mais uma vez, o velho Cuiabá correspondeu, sustentando o desenvolvimento da cidade até os dias de hoje.

Para o historiador, se o rio foi fundamental no período colonial, hoje é ainda mais imprescindível. “Se não fosse o rio Cuiabá, eu repito, a tentativa de povoar essa região seria um desastre. Mas estamos nos aproximando de um desastre ainda maior, pois, se hoje o transporte fluvial não representa mais nada para a cidade, o mesmo não podemos dizer do abastecimento de água, cuja única fonte é a mesma do tempo dos colonizadores”.

Em 1933, lembra Póvoas, o Rio Cuiabá atingia 1,3 metro no período de maior estiagem. “Hoje, com a seca ainda começando, ele já está abaixo de zero”, lamenta. “Logo vamos ter 2 milhões de habitantes em Cuiabá e Várzea Grande. Ao mesmo tempo, os ribeirões e córregos que alimentam o Cuiabá estão secando. Vai haver água para matar a sede de toda essa gente?”.




O eterno protagonista da História
Degradação do meio ambiente muda manifestações culturais
Navegação fez crescer o comércio no século 19
Dezenove afluentes já estão mortos
Metade da mata ciliar foi extinta
Pesquisa revela que pescadores são mal-tratados
Seminário debate propostas para políticas pesqueiras
Prática é passada de pais para filhos há mais de 30 anos
Comunidades traduzem hábitos tradicionais
Gera fomenta discussões ambientais e culturais
Ribeirinhos não conhecem leis
Biólogo teme por reprodução de peixes
Esgoto sem tratamento ainda é o maior desafio no Cuiabá
Peixes do Manso representavam 30% da ictiofauna do Pantanal
Qualidade da água é contestável
37 dragas funcionam ‘mas não prejudicam’
Projeto revitaliza córregos do Cuiabá
Dragueiros também reclamam da Usina de Manso
Usina hidrelétrica ameaça futuro
Depleção do nível começou ainda na década de setenta
Ambientalistas consideraram audiência pública uma farsa