Parte II - O complô contra o Estado

A história do suprimento de energia elétrica a Cuiabá e à parte do Estado que restou após a divisão de 1979, é muito simples. Um ex-diretor da Centrais Elétricas Matogrossenses S/A – Cemat – Sr. Carmelito Torres, em conferência proferida no dia 30 de julho de 1974, no anfiteatro do antigo Colégio Estadual de Mato Grosso, desta capital, com base em trabalho elaborado pelo falecido professor Francisco Alexandre Ferreira Mendes (“Energia Elétrica – Problema Vital para Cuiabá” – 1971), informou que “o primeiro serviço de iluminação pública em Cuiabá foi inaugurado no dia 30 de novembro de 1879 pelo então presidente da Província, Dr. João José Pedrosa, que usava como combustível o querosene em substituição às antigas lamparinas de azeite que, por iniciativa particular iluminava as testadas das casas dos mais abastados residentes na cidade.”

No início deste século – acrescentava Carmelito Torres – a iluminação a gás acetileno constituiu empreendimento alvissareiro, representando grande passo ao avanço do progresso e a civilização universal). Cuiabá, em 1911, graças ao espírito empreendedor do intendente municipal, Cel. Avelino de Siqueira, ostentava com toda a opulência as suas praças e ruas centrais iluminadas a gás. Em 1919, por ocasião dos festejos do bicentenário da fundação de Cuiabá inaugurou-se o primeiro serviço de iluminação pública, com energia elétrica, cujos os geradores eram movidos com máquinas a vapor, graças aos esforços e conhecimento do cidadão João Pedro Dias, por determinação do presidente do Estado, àquela época o eminente e reverendíssimo conterrâneo arcebispo Dom Francisco de Aquino Corrêa da Costa, foi inaugurada a primeira usina hidrelétrica que utiliza o desnível do rio da Casca, melhorando as instalações existentes, ampliando-as e dotando a cidade de um serviço de distribuição pública que muito beneficiou a incipiente indústria cuiabana da época. Em 1941, esta usina teve a sua capacidade duplicada no governo do interventor Júlio Strubing Muller. Em 1954, no governo do Dr. Fernando Corrêa da Costa, uma nova usina hidrelétrica era construída e inaugurada no rio da Casca, pouco à jusante da primeira, com disponibilidade energética quatro vezes superior àquela.

Em 1960 – prosseguia o ex-dirteor da Cemat – a capacidade desta usina foi completada no governo do Sr. João Ponce de Arruda, sendo neste período constituída a Cemat, como órgão diretor da política energética do Estado. Em 1964, no segundo período governamenal, o Dr. Fernando Corrêa da Costa, tendo em vista os elevados índices de crescimento demográfico que Cuiabá começava a experimentar, em face do despertar do progresso regional, dá-se início à construção de uma nova usina, no terceiro desnível existente no rio da Casca, dispondo esta usina de quatro vezes a potência instalada na anterior que mandara construir. Em 1966, o governador Pedro Pedrossian prossegue a construção da usina Casca III e, antes mesmo de construída esta usina, teve necessidade a Cemat de reforçar o seu sistema gerador com a instalação de um conjunto diesel elétrico de 3.400 KW para atender ao sistema. Em 1971 era inaugurada a terceira usina do rio da Casca, já no governo do Sr. José Fragelli. No período de 1971 a 1973, a Cemat, em conjunto com a Eletrobrás, estudou diversas possibilidades hidroenergéticas existente em torno de Cuiabá e destes estudos resultou mais viável, técnica e economicamente, a necessidade da construção da central de Couto Magalhães, no desnível existente do rio Araguaia, distante aproximadamente vinte quilômetros à jusante da cidade de Alto Araguaia.

Esta Central – informava na época o engenheiro Carmelito Torres – terá uma capacidade de 180 mil quilowatts (KW), sendo sua construção prevista para o período de 1975 a 1979 a cargo da Eletronorte, empresa subsidiária da Eletrobrás. No período que medeia esta construção, o nosso sistema será reforçado, no próximo ano, com mais 20 mil KW provenientes da Usina Cachoeira Dourada, da Celg, dando assim um sentido inverso à abordagem da obra, isto é, construindo primeiro a linha de transmissão que servirá no futuro à Usina Hidrelétrica “Couto Magalhães” e se beneficiando dela imediatamente para o atendimento do consumo crescente, através da aquisição de energia da Celg (Centrais Elétricas de Goiás). Em 8 de abril de 1974 era inaugurada pelo governador José Fragelli a nova usina diesel elétrica de Cuiabá, com 10 mil KW de potência, para aliviar a pressão do consumo, mesmo antes da operação da linha de transmissão.

Em termos rigorosamente históricos – e não há como negar isso – os fatos foram justamente os que serviram para as informações prestadas pelo engenheiro Carmelito Torres. Mas há fatos, à margem da história oficial, que indicam a existência, senão de um complô, pelo menos de uma declarada intenção de evitar um desenvolvimento harmonioso da economia estadual.

E tudo com base nas decisões da tecnocracia instalada em Brasília pelo governos dos generais.



· Parte I - Mato Grosso, a grande vítima
· Parte II - O complô contra o Estado
· Parte III – A história de um escândalo
· Parte IV - Um projeto morto e sepultado
· Parte V - A ordem de parar
· Parte VI - A briga das estatais
· Parte VII – O recuo da Eletronorte
· Parte VIII - Eletronorte, uma presença desastrosa
· Parte XIX - As consequências danosas de Manso
· Parte X - Fechamento do reservatório





Relatório de 1986 já previa erros
Couto Magalhães é mais viável, diz EIA-Rima
Pode faltar água para o enchimento do lago
Luta de interesses explica opção
‘Não estou arrependido’, afirma Frederico Campos
Prognósticos de especialistas se confirmam
Promotores não vão agir em conjunto
Projetos ambientais são inadequados, aponta UFMT
Programa para recuperação de áreas está atrasado
Domingos Sávio diz que Fema pode ser conivente
‘Falta de chuvas causa baixo nível’
De 21 pontos, 17 estão incorretos
Comissão de Meio Ambiente da OAB vai impetrar ação
Contrato com ‘parceiros’ é duvidoso
Usina de Balbina também foi desastre ambiental
Privatização do setor elétrico explica pressa
Manso tem lago grande para pequena geração
Furnas responde por 43% da energia do País
Qual é a fonte de energia ideal?
Barragens em construção afetarão 80 mil famílias
Núcleo quer intensificar discussões no interior
PCHs podem ser solução viável
Pescadores pedem garantias a Furnas
Terra dos assentados é improdutiva
‘Não como peixe há 7 meses’, diz agricultor
Usina de Manso e Rio Cuiabá, um problema anunciado