NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Terça-feira, 19 de Janeiro de 2021
ECONOMIA
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2021, 00h:00

INFLAÇÃO DA CONSTRUÇÃO

MT registra índice abaixo da região Centro-Oeste e do País

Da Reportagem

Mato Grosso acumulou a menor inflação entre os estados da região Centro-Oeste, no setor da construção civil, em 2020. Dados do Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), divulgado ontem pelo IBGE, mostram que de janeiro a dezembro a variação no Estado somou 6,91% ante a média nacional e, 10,16% e a regional em 8,16%.

Nos quatros estados do Centro-Oeste a inflação foi destaque em Goiás, cuja alta acumulada chegou a 10,22%, a maior. Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal registraram 7,17% e 7,61%, respectivamente.

A alta sobre o custo de mão-de-obra e de materiais elevou o preço médio do metro quadrado em Mato Grosso a R$ 1.226.76 em dezembro. Esse valor é o 17º no ranking nacional, considerando o maior valor, apurado em Santa Catarina, R$ 1.439,42.

Regionalmente, o Distrito Federal segue com o maior valor pelo m², média de R$ 1.324,10, seguido por Goiás, R$ 1.279,22, Mato Grosso, R$ 1.226,76 e Mato Grosso do Sul, R$ 1.197,89.

Influenciado pela alta significativa na parcela dos materiais, o Nordeste apresentou a maior variação regional em dezembro (2,37%) e o maior resultado acumulado em 2020 (12,50%). Nas demais regiões, os resultados foram: 1,75% (Norte), 1,69% (Sudeste), 2,27% (Sul) e 1,35% (Centro-Oeste).

Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 1.289,71 (Norte), R$ 1.201,17 (Nordeste), R$ 1.319,86 (Sudeste), R$ 1.335,31 (Sul) e R$ 1.260,87 (Centro-Oeste).

Roraima ficou com a maior taxa para o último mês do ano, 3,41%. No acumulado do ano, a Bahia ficou com a maior taxa, 17,08%, registrando também a maior taxa no acumulado da parcela dos materiais, 28,09%.

O custo nacional da construção, por metro quadrado passou para R$ 1.276,40 em dezembro, sendo R$ 710,33 relativos aos materiais e R$ 566,07 à mão de obra. Em novembro, o custo havia sido de R$ 1.252,10.

A parcela dos materiais, com alta significativa mais uma vez, apresentou também a maior variação mensal de 2020: 3,39%, subindo 0,24 ponto percentual em relação ao mês anterior (3,15%) e 3,52 pontos percentuais frente a dezembro de 2019 (-0,13%).

Já parcela da mão de obra registrou taxa de 0,18%, caindo 0,07 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,25%) e 0,41 ponto percentual frente à taxa de dezembro de 2019 (0,59%).

O acumulado no ano para 2020 foi de 17,28% nos materiais, enquanto a parcela do custo referente aos gastos com mão de obra atingiu 2,33%. Em 2019, a parcela dos materiais fechou em 4,54% e a mão de obra, em 3,47%.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
Qual deve ser a prioridade do 2º mandato do prefeito Emanuel Pinheiro?
Melhorar o transporte coletivo
Tornar a Saúde Pública acessível a todos
Ampliar a Assistência Social
Educação para todos
PARCIAL