NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 06 de Julho de 2020
ECONOMIA
Quarta-feira, 01 de Julho de 2020, 00h:00

COMÉRCIO 2009-2018

MT registra ganho de receita na última década e incremento na atividade

MARIANNA PERES
Da Reportagem

A participação do Centro-Oeste na receita bruta de revenda brasileira aumentou de 9% para 10%. Já a participação de Mato Grosso na receita bruta de revenda do Centro-Oeste subiu de 24,2 para 31,7%, só atrás do estado de Goiás, cuja participação caiu de 36,9% para 33,8%, aponta a Pesquisa Anual do Comércio (PAC) 2018.

Segundo a pesquisa, a margem de comercialização (que é obtida dividindo-se a margem do comércio - definida pela diferença entre a receita líquida de revenda e o custo de mercadorias vendidas - pelo custo de mercadorias vendidas) em empresas comerciais mato-grossenses passou de R$ 6,3 bilhões para R$ 21 bilhões.

Entre 2009 e 2018, o pessoal ocupado em atividades comerciais em Mato Grosso aumentou 22%, passando de 163.447 para 209.928O número de unidades locais (lojas) com receita de revenda subiu de 26.898 para 28.731 no estado na mesma comparação.

A pesquisa traz os principais resultados das empresas comerciais brasileiras, cujas atividades se dividem em três segmentos distintos: comércio de veículos, peças e motocicletas, comércio por atacado e comércio varejista. A PAC prioriza a comparação entre 2009 e 2018 a fim de identificar mudanças estruturais num período de dez anos.

Do total de 209.928 pessoas ocupadas em Mato Grosso, 28.070 estavam no comércio de veículos, peças e motocicletas, 36.701 no comércio por atacado e 145.157 no comércio varejista. A receita bruta de revenda e de comissões sobre vendas no estado aumentou de R$ 36,9 bilhões para R$ 127,7 bilhões entre 2009 e 2018. Os salários, retiradas e outras remunerações passaram de R$ 1,6 bilhão para R$ 5,1 bilhões.

BRASIL – Em 2018, a atividade comercial no país gerou R$ 3,7 trilhões de receita operacional líquida (receita bruta menos as deduções, tais como cancelamentos, descontos e impostos) e R$ 613,5 bilhões de valor adicionado bruto. O setor pagou R$ 237,4 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações, mantendo a estabilidade da remuneração média das pessoas empregadas em empresas comerciais, que foi de 1,8 salário mínimo em 2009 e 1,9 em 2018.

A participação do comércio varejista na receita operacional líquida cresceu 4,4 pontos percentuais (p.p) em 2018 (45,8%) em relação a 2009 (41,4%). O atacado também subiu de 43,4% para 44,9% em 2018. Já o comércio de veículos, peças e motocicletas perdeu participação de 5,9 p.p na receita líquida, passando de 15,2% para 9,3% em dez anos.

Entre 2009 e 2018, o pessoal ocupado em atividades comerciais aumentou 19,7%, passando de 8,5 milhões para 10,2 milhões. O número de empresas comerciais cresceu 5,2%, indo de 1,4 milhão para 1,5 milhão. Já a quantidade de unidades locais (lojas) subiu de 1,5 milhão para 1,7 milhão em dez anos. Em relação a 2017, o número de empregados no setor subiu 0,3% (ou 28,8 mil). Por outro lado, caíram a quantidade de empresas (2,2%, ou 34, 2 mil) e unidades locais (1,2% ou 19,8 mil).

Em dez anos, a média de pessoas ocupadas no comércio passou de seis para sete por empresa, no período. No varejo, que em 2018 ocupava 74,5% dos trabalhadores do comércio no Brasil, essa média passou de seis para sete pessoas empregadas por empresa, enquanto o atacado foi de nove para oito e o comércio de veículos e peças manteve-se em seis pessoas. A única atividade em que esse número aumentou de forma significativa foi a de hipermercados e supermercados, que passou de 82 para 99 pessoas ocupadas.

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
O que você achou da decisão da Justiça de decretar lockdown em Cuiabá e VG?
Acertada
Demorou
Antes tarde...
Tanto faz
PARCIAL