NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020
ECONOMIA
Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020, 00h:00

MILHO

Demandas interna e externa sustentam preços e projetam mais recordes

Cereal vive um ‘paraíso astral’ em 2020, apesar de todas incertezas. Comercialização segue em alta em plena safra e preços se sustentam em patamares históricos

MARIANNA PERES
Da Reportagem
Plantação de milho

Na reta final da colheita do milho safrinha, em Mato Grosso, as projeções de números históricos se consolidam. Nova estimativa divulgada ontem pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) aponta para uma oferta 3,16% superior ao recorde do ciclo passado. Em números absolutos, o Estado deve colher 33,47 milhões de toneladas ante 32,45 milhões da temporada 2018/19, instituindo um novo recorde à série histórica da commodity.

Esta 6ª estimativa da safra 2019/20, reflete os bons reportes a respeito das áreas colhidas do Estado, contribuindo com uma ligeira elevação na produtividade para a maioria das regiões produtoras. Apesar de um volume final superior ao registrado na safra passada, ainda não está confirmado o ganho em produtividade, como apontam os analistas do Imea.

“A produtividade média ficou estimada em 107,43 sacas por hectares (sc/há), aumento de 0,61% se comparado ao último relatório. Apesar disso, ao comparar com a produtividade da safra 2018/19, que apresentou bons acumulados de chuva e semeadura dentro da janela ideal para o milho, ainda há um recuo de 3,13%”. Como explicam, a estimativa de produção deriva do incremento do rendimento na comparação com os últimos levantamentos do Órgão. “São cerca de 203 mil t ante o relatório passado e 3,16% maior em relação à safra passada”, completam a análise.

Mesmo com a colheita na casa dos 90% da área plantada – 5,19 milhões de hectares – os analistas destacam que os números projetados ainda estão passíveis de alteração. “Vale analisar que as estimativas podem vir a se alterar diante do encerramento dos trabalhos a campo dentro do Estado, que será capaz de dar maior definição à produtividade das lavouras do milho segunda safra”.

MERCADO – Ontem, o Imea divulgou também a 2ª estimativa de oferta e demanda de milho para Mato Grosso. O relatório projeta o maior consumo já apontado para o mercado local, ou seja, dentro do próprio Estado. As usinas de etanol devem ser as maiores responsáveis por essa mudança na estrutura de consumo do cereal mato-grossense.

Por este chamado ‘lado da demanda’, os analistas explicam que a preferência pelo cereal vem sendo favorecida pelo maior consumo interno, estimado em 10,14 milhões de t, decorrente do crescimento das usinas de etanol. Na comparação anual, a demanda interna deve aumentar – na comparação entre 18/19 e 19/20 – em quase 24%.

“Além disso, as expectativas das exportações são favoráveis, já que 87,08% da produção de milho já se encontram comercializadas e podem atingir 21,10 milhões de t para esta temporada”, o que se confirmado será um novo recorde em embarques na série histórica do milho mato-grossense.

O relatório estima um consumo interestadual de 2,23 milhões de toneladas, que, junto às demais demandas, resultará nos estoques finais de 0,02 milhão de t da produção.

VALORIZAÇÃO - A valorização não para no mercado físico de milho brasileiro, com o patamar de R$ 51/sc rompido em São Paulo já no primeiro útil de agosto. A cotação do cereal chega aos máximos valores dos últimos três meses. Na B3, o contrato do milho com vencimento para outubro/20 subiu 3,5%, fechando o dia com o rompimento de mais uma máxima, a R$ 52,76/sc.

Em Mato Grosso, maior produtor do cereal no País, julho fechou em alta, com a saca mais que dobrando de preço. Na comparação anual, houve ganho de quase 60%, com a cotação média passando de R$ 22,28 para R$ 35,28.

A demanda seguiu aquecida e refletiu nos preços do Indicador Imea na semana passada. Assim, o cereal ficou cotado à média de R$ 35,28/sc, aumento de 6,12% em relação à semana passada.

Os embarques de milho começaram a ganhar força no mês de julho/20, apesar da forte disputa com o mercado interno, com prêmios nos portos tendo que se elevar. As exportações avançaram mais de 1.000% em julho/20 no comparativo mensal. Foram 4,15 milhões de toneladas embarcadas para fora do país no último mês, como apontam os analistas da Agrifatto.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




ENQUETE
MT terá eleições simultâneas para vereador, prefeito e senador? Você já escolheu seus candidatos?
Sim
Não
Vou anular os votos
Nenhum dos candidatos presta
PARCIAL