Quinta feira, 23 de janeiro de 2020 Edição nº 15364 07/12/2019  










Anterior | Índice | Próxima

Combate ao custo Brasil

São estarrecedoras as conclusões do estudo conjunto entre o Ministério da Economia e o Movimento Brasil Competitivo (MBC), apresentado na quinta-feira, que desnuda o quanto as empresas instaladas no país são oneradas a mais em relação à média das nações da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Burocracia, emaranhado tributário, insegurança jurídica, infraestrutura precária, capital humano e vários outros entraves encarecem os negócios em astronômicos R$ 1,5 trilhão, conclui o levantamento. Se a projeção for correta, seria equivalente a 22% do PIB. É o famigerado custo Brasil, agora na ponta do lápis.

Nota-se que não são à toa as recorrentes queixas de empresários quanto ao ambiente inóspito para empreender e investir no Brasil. Nem surpreendem as posições brasileiras reiteradamente vexatórias em rankings globais de competitividade. O resultado aparece nos níveis medíocres de crescimento da economia. Com a realidade escancarada e esmiuçada em números, é inadiável agir para começar a suplantar a montanha de obstáculos.

A partir do diagnóstico feito pelo estudo, o governo federal promete colocar em prática o chamado Programa de Melhoria Contínua da Competitividade. Os compromissos incluem até a criação de uma plataforma com acesso franco para que se possa acompanhar a evolução dos 12 indicadores avaliados. Talvez uma das prioridades, pelo assombro das cifras, seja o de capital humano. Mostra o estudo que empregar, no Brasil, pode custar até R$ 320 bilhões a mais do que a média da OCDE. Além dos altos custos de contratação e dos riscos relacionados a processos trabalhistas, o Brasil está atrasado demais na produtividade da mão de obra. A qualificação só evoluirá com um esforço imenso na educação, desde o ensino básico. Sem uma base que amplie a capacidade dos brasileiros de adquirir novas habilidades, o país seguirá condenado à segunda divisão do desenvolvimento global, permanecendo apenas como um importante fornecedor de produtos básicos.

Mesmo que se lamente o ritmo aquém do desejado, o país discute importantes reformas estruturais. Mas é preciso muito mais para elevar a competitividade brasileira. Enquanto marcamos passo, outros países aceleram na infraestrutura, no ensino e na arquitetura de ambientes favoráveis aos negócios. É com esta turma do primeiro pelotão que o Brasil precisa ombrear. Caso contrário, corremos o risco de continuar sendo o país que eternamente aguarda o futuro. É preciso arregaçar as mangas e colocar o Brasil em nova marcha, antes que seja tarde demais.



Enquanto marcamos passo, outros países aceleram na infraestrutura, no ensino e na arquitetura de ambientes favoráveis aos negócios



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:43 BOA DISSONANTE
17:42 Planejar a compra do material escolar
17:42 Blairo cobra Neri sobre reunião com Emanuel e Campos
17:41 Fuga no Paraguai
17:41 O nazista Alvim virou “nada”


17:41 Internet das coisas
17:40
17:40 Um novo mundo
17:39 Verdadeira riqueza do Irã não é petróleo, mas coragem dos jovens e mulheres, diz escritora iraniana
17:39 Projetos audiovisuais criticados por Bolsonaro ficam de fora de edital
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018