Sábado, 07 de dezembro de 2019 Edição nº 15350 15/11/2019  










Anterior | Índice | Próxima

A saída da extrema pobreza

Chegou a 13,5 milhões de pessoas no ano passado o número de brasileiros que vivem na pobreza extrema, com ganho diário inferior a US$ 1,90. Ao virar o século, parecia que o país iniciava de forma definitiva uma trajetória de redução da miséria. Mas, desde 2015, com a chegada da recessão, o Brasil vive uma reversão de expectativas. Mesmo que se possa atribuir o aumento da quantidade de carentes à crise, os indicadores apresentados na quarta-feira pelo IBGE permitem chegar a outras conclusões que vão além da situação econômica.

Em primeiro lugar, embora seja necessário reconhecer a importância dos programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, está evidente que chegaram a um limite quanto à capacidade de tirar uma parcela maior de indivíduos do estrato dos mais desprovidos. A segunda inferência possível é de que, mais do que uma retomada mais forte da atividade, o Brasil precisa de uma revolução na educação, que vá na direção de melhor preparar crianças e jovens para a cidadania e o mercado de trabalho.

Somente com a oferta de um aprendizado mais robusto, especialmente nas escolas públicas, o país será capaz de dar oportunidades para que estudantes mais pobres construam um futuro melhor, quebrando o círculo vicioso que hoje realimenta a miséria. Instrução é sinônimo de maior produtividade da mão de obra, que significa possibilidade de obter melhor renda.

Ensino, desenvolvimento e emprego formam uma espécie de tripé. Relacionam-se, com um fator impactando o outro, mas hoje, no Brasil, são elementos que precisam passar por uma profunda reformulação para que possam gerar crescimento sustentável, saudável e com inclusão.

A começar pela prioridade à educação básica. Os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), aplicado em 70 países, estão aí para demonstrar o desempenho pífio do Brasil, ocupante das últimas posições em matemática, ciências e leitura.

Com tantas amarras a travar o país, é preciso dar atenção às frentes que darão resultado em um prazo um pouco maior, como o ensino, mas sem descuidar de aspectos que têm reflexo mais imediato, como o combate à burocracia e à complexidade tributária que empesteiam o ambiente de negócios no país. Nestes dois últimos pontos, há sinais promissores, que podem contribuir para o país recobrar um maior grau de confiança interna e externa que se reflita em uma nova onda de investimentos, sobretudo em infraestrutura. Na educação, infelizmente, não é possível vislumbrar, até agora, nada que possa ser considerado alvissareiro.



Programas de transferência de renda chegaram a um limite quanto à capacidade de tirar uma parcela maior de indivíduos do estrato dos mais desprovidos



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:09 Macondo, infelizmente...
17:09 07 – sábado Implantação de Jardim Botânico deve começar
17:08 A maconha foi liberada no Brasil?
17:08 Os pets e o estilingue
17:07 Combate ao custo Brasil


17:05
17:04 Temporada 2019 atrai 6 mil visitantes em exposições marcadas pela diversidade
17:04 Arena Encantada traz fé, magia e diversão para as famílias mato-grossenses
17:03 Em Ela disse, jornalistas contam os bastidores da investigação que derrubou Harvey Weinstein
17:02 Carol Castro: Se deixar, te colocam na prateleira do papel sensual
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018