Quinta feira, 21 de novembro de 2019 Edição nº 15345 08/11/2019  










RENATO DE PAIVA PEREIRAAnterior | Índice | Próxima

A viagem do Presidente

Na semana passada o Presidente visitou países comercialmente interessantes para o Brasil como Japão, China e Nações Árabes, grandes compradores de nossos produtos agropecuários.

Mas como seria esperar demais que ele ficasse 10 dias sem desafinar, a nota dissonante veio com a inoportuna intromissão na política da vizinha Argentina, nosso terceiro maior parceiro comercial.

É difícil entender a obsessão do Presidente brasileiro de classificar como inimigo qualquer nação que esteja politicamente mais à esquerda. Inexiste razão para interrompermos relações comerciais com a Argentina só porque a Cristina Kirchner voltou ao poder. Até o Trump – ídolo do Mito - parabenizou o eleito Fernández e garantiu a manutenção das negociações bilaterais.

Alguns países – China por exemplo - são tão poderosos e importantes nas relações mundiais que conquistam o direito de não dar a menor bola para o que pensam deles. Claro que o Brasil não é uma dessas nações e precisa cultivar com carinho o relacionamento que melhora os negócios.

Interessante notar que depois da reforma da Previdência – concluída apesar do Presidente - o mercado está ansioso por boas notícias para começar a deslanchar e tende a ignorar os desacertos políticos do governo. Até a possibilidade de o Supremo enterrar a prisão após julgamento em segunda instância não consegue impressionar o mercado. O dólar que sempre sobe com os sinais de instabilidade não deu bola para o STF; a bolsa, também muito sensível aos riscos, mantém o viés de alta, ainda que moderado. O risco Brasil está baixíssimo - por volta de 117 pontos – e a inflação comportada. A taxa Selic foi reduzida para inéditos 5% e o desemprego lentamente começa a ceder.

Outra sinalização do deslocamento do mercado foi ignorar o fiasco da Rede Globo sugerindo o envolvimento do Presidente com o caso Marielle, mesmo com toda evidência contrária. A maldosa notícia nem arranhou o mercado; chamuscada ficou sim a imagem da poderosa emissora.

Surpreendentemente a Bolsa e o dólar ignoraram até a mais absurda de todas das confusões do clã dos Bolsonaro que foi a sugestão do deputado Eduardo – o autor da frase que um cabo e dois soldados fechariam o STF - de reeditar o AI-5 caso a oposição não se comporte como o governo quer.

Aliás, este episódio da emissora de TV dava uma excelente oportunidade para o Presidente e sua turma enfatizar a inoportunidade da notícia e o viés político dela. Mas eles jogaram fora a chance, criando uma nova situação (reedição do AI-5) que pode ser desastrosa politicamente, diante da ameaça de cassação do filho 03 na Câmara dos Deputados.

Espero que o Congresso releve a verborragia do parlamentar e aceite suas desculpas - mesmo porque o Presidente foi enfático em condená-la – e receba com simpatia as importantíssimas medidas que o Paulo Guedes e sua equipe estão propondo nesta primeira semana de novembro.

Agora, mesmo que o mercado esteja ignorando as bravatas e estultices da família presidencial, ninguém sabe o limite da resistência do País a elas.



* RENATO DE PAIVA PEREIRA – empresário e escritor

renato@hotelgranodara.com.br



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:01 Estudo sobre passageiros está 15 anos defasado
18:01 BOA DISSONANTE
18:00 Brexit: O jogo deve terminar
17:59 O atestado do desastre
17:59 Infames de uma tardia república


17:59 Expectativa coletiva
17:58
17:58 Bolsonaro e o meio ambiente
17:57 Gilberto Gil recorda e reinventa Refavela em documentário
17:56 A gente teve melhorias, diz Taís Araújo 10 anos após ser 1ª negra protagonista
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018