Quinta feira, 21 de novembro de 2019 Edição nº 15330 18/10/2019  










EDERALDO LIMAAnterior | Índice | Próxima

Tributação para área da saúde

Muito se fala e se discute a respeito da tributação da área da saúde, mas pouco é questionado os reais benefícios do estudo deste campo de atuação na parte tributária, como se nota um achismo no mercado de que os Profissionais da Saúde são todos "milionários" e podem arcar com qualquer carga tributária, não é dado o devido valor ao estudo desta área tão importante para a sociedade.

Inúmeras são as possibilidades tributárias, pode–se destacar o Lucro Presumido e o Simples Nacional, ou seja, seguindo as instruções da Lei Complementar 9.249/95 e também Lei Complementar 123/2006 e suas alterações. Também é válido citar as Instruções normativas 1.234/12, 1.540/15 e 1.700/17.

Ainda há uma possibilidade muito utilizada ainda no cenário nacional, que é o trabalho do profissional da saúde como pessoa física, acompanhada de um extensivo acompanhamento do seu livro caixa, fazendo um balanceamento importante entre receita e despesa, buscando uma gestão da carga tributária.

Mas, neste artigo é importante trazer algumas observações pouco utilizadas, como a brecha para reduzir a carga tributária de 11,33% do faturamento para 5,93% e ainda o incentivo maior que é em caso de prestação de serviços a empresas tomadoras que fazem a retenção total do imposto a um percentual de 5,85% em tributos federais, tudo isto aplicado à legalidade e dentro dos parâmetros exigido pela Receita Federal.

É preciso entender das despesas dedutíveis, das ramificações, do que são utilizados nos procedimentos e como isto impacta o bolso das clínicas e profissionais e como reduzir isto ou gerenciar para não trazer problemas futuros.

Com este intuito, e com o desenvolvimento da área de serviços no Brasil, e neste se incluir os serviços de saúde, onde cada vez mais temos uma demanda por cuidados com a saúde em grande escala, seja por uma questão estética ou até mesmo por uma questão de longevidade das pessoas, o que demanda cuidados e preservação do seu estado físico e mental. Os profissionais da saúde precisam ter um corpo técnico para lhe dar todo o suporte necessário, seja este contábil e jurídico muito próximo, e que estejam em sintonia com as suas obrigações, não deixando lastro para problemas futuros.

É preciso também que o profissional entenda que estes especialistas vivem sobrecarregados, tamanha as suas responsabilidades, e que assim desempenhem da melhor forma possível os seus trabalhos com eficiência, projetando economia tributária e crescimento patrimonial e financeiro aos profissionais da saúde.

Por fim, parabéns, aos médicos, fisioterapeutas, odontólogos, esteticistas pelo desempenho de suas respectivas profissões e pelo trabalho que desempenham e tenham sempre profissionais atentos às mudanças e que te gere uma maior clareza nos negócios.



* EDERALDO LIMA - Professor do SENAI/FATEC, Doutorando em Ciências Contábeis - Fucape e Membro da Academia Mato-grossense de Ciências Contábeis - Amacic



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:01 Estudo sobre passageiros está 15 anos defasado
18:01 BOA DISSONANTE
18:00 Brexit: O jogo deve terminar
17:59 O atestado do desastre
17:59 Infames de uma tardia república


17:59 Expectativa coletiva
17:58
17:58 Bolsonaro e o meio ambiente
17:57 Gilberto Gil recorda e reinventa Refavela em documentário
17:56 A gente teve melhorias, diz Taís Araújo 10 anos após ser 1ª negra protagonista
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018