Quinta feira, 17 de outubro de 2019 Edição nº 15324 10/10/2019  










Anterior | Índice | Próxima

Solução estrutural

A magnitude da crise das finanças públicas de Mato Grosso há muito exige uma solução estrutural para os gastos com pessoal, principal fonte do desequilíbrio crônico entre receitas e despesas que faz do Estado um ente que hoje vive mais para si do que para servir à maioria silenciosa dos mato-grossenses. O governador Mauro Mendes, desde sua posse em janeiro, tem demonstrado ter essa compreensão e indicou disposição para enfrentar a questão espinhosa com medidas duras, mas inadiáveis e imprescindíveis para que o poder público comece a reverter a situação de penúria e volte a ser um propulsor do desenvolvimento, e não o contrário, uma âncora pesada que trava a atividade econômica, o emprego e a renda.

Acabou a margem para tergiversar, frente à constatação de que os custos com pessoal sugam a maior parte da arrecadação do Estado. O aceno com iniciativas paliativas e a espera por recursos extraordinários que nunca chegam também, ao longo dos anos, provaram ser vãs esperanças. A matemática pura e simples mostra a premência de dar um basta à permissividade, apesar de o enfrentamento com as corporações que se sentirem prejudicadas tender a ser renhido e desgastante.

Há momentos em que a encruzilhada da História impõe a defesa e a adoção de medidas impopulares. Neste sentido, acerta o governo Mauro Mendes ao propor extinguir benefícios previstos para o funcionalismo de todos os poderes, alterar o plano de carreira do magistério e propor modificações no regime de previdência dos servidores, entre outras medidas amargas, mas necessárias. Espera-se, ao mesmo tempo, que a Assembleia mostre outra vez consciência da gravidade do quadro e não ceda a pressões, especialmente de setores mais abastados. No mesmo caminho vai a proposta de reforma administrativa da União, em busca de enxugamento dos gastos com pessoal.

Nas últimas três décadas, nenhum governo, de nenhuma cor ideológica, conseguiu mudar o curso de colisão do Estado contra uma realidade cristalina: Mato Grosso, por todas as óticas, quebrou pelo excesso de benesses e benefícios a corporações que, ressalve-se, não são culpadas, pois defenderam seus interesses como qualquer outro segmento em uma democracia.

Chegou, então, o tempo da guinada. É preciso que alguns abram mão de vantagens, em nome da maior parte da população do estado, principalmente a mais humilde e dependente dos serviços públicos em áreas como educação, saúde e segurança.



É preciso que alguns abram mão de vantagens, em nome da maior parte da população de Mato Grosso



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:07 Júlio Campos muda domicilio eleitoral
19:05 Nem cálice e nem cale-se
19:05 Best-seller
19:05 Projeto de Lei dos 30 dias
19:04 Educação contra a desigualdade


19:04 Mistérios da República
19:02 Afastada da TV, Bianca Rinaldi diz que idade lhe trouxe maturidade e prepara canal no YouTube
19:02
19:01 Sequência de Malévola propõe nova vilã
19:01 Renée Zellweger já desponta como favorita ao Oscar
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018