Quinta feira, 17 de outubro de 2019 Edição nº 15307 17/09/2019  










LIVROAnterior | Índice | Próxima

Com novo livro, Pondé diz que modernidade é como adolescente que julga mãe

MAURÍCIO MEIRELES
Da Folhapress - São Paulo

Alguns pensarão que a filosofia só trata de grandes questões, todas muito profundas. Por que o universo existe? Há vida depois da morte? De onde viemos? O bem e o mal existem?

Em vez de tratar dessas perguntas, o escritor, ensaísta e colunista da Folha Luiz Felipe Pondé resolveu refletir sobre indagações mais prosaicas em seu novo livro. Por que levantar da cama todos os dias? Qual das duas é melhor, a realidade ou a fantasia? "Filosofia do Cotidiano - Um Pequeno Tratado Sobre Questões Menores" é uma obra que trata de questões que só em tese são pequenas, diz o autor –na verdade são grandes.

No volume, Pondé começa falando do despertar no sentido existencial. Ele vê três sentidos nesse despertar: o platônico, de busca do mundo real; o cético, como um acordar do sonambulismo dos dogmas; e o dos gnósticos, cristãos primitivos que viam o mundo como um espaço criado por um deus mau, repleto dos piores tormentos.

"A relação entre despertar e enxergar a dor que permeia a realidade é outra forma poderosa de entender o sentido maior de se acordar um dia na vida", escreve Pondé.

A questão é como escapar do niilismo diante da constatação de que a realidade "é uma (bela) câmara de tortura". "Uma das formas é pensar sobre o niilismo, ver como se manifesta", diz o autor.

Um dos pontos que liga todos os textos do livro é a crítica sempre mordaz à autoajuda, que, na visão de Pondé, seria um fenômeno ligado aos adultos infantilizados do mundo contemporâneo.

Outro elemento que atravessa diversos ensaios é a ideia de que a tradição é um elemento a garantir segurança, bem-estar e estabilidade ao ser humano –e que algumas mudanças da sociedade, no lado contrário, trariam mais angústias do que a intelectualidade de esquerda gosta de admitir.

Isso vai de uma defesa da importância de se acordar cedo por ser o que a humanidade faz há milênios até uma defesa da família nuclear. É assim que Pondé vê na emancipação feminina a produtora de mulheres solitárias e homens fragilizados, por exemplo.

"Tento relativizar a noção monolítica de que a emancipação é sempre feliz e boa. Os problemas que surgem com ela devem ser enfrentados, não se deve ficar numa chave militante", diz o autor. "A modernização é uma adolescente metida a besta julgando a mãe, achando que entendeu tudo."

Não é para confundir o conservadorismo que Pondé demonstra nessa defesa da tradição com o da chamada nova direita que levou Bolsonaro ao poder, diz ele.

"Essa nova direita que fala na família brasileira tem pouca dialética, pouco vínculo com o olhar ambivalente. Quando eu falo que a modernização é uma adolescente metida a besta, não quero dizer que a mãe deveria mandá-la calar a boca o tempo todo."



Filosofia do Cotidiano - Um Pequeno Tratado Sobre Questões Menores

Autor: Luiz Felipe Pondé. Ed. Contexto. R$ 33 (128 págs.).

Lançamento: nesta ter. (23), às 19h, na Livraria da Vila - R. Fradique Coutinho, 915, tel. (11) 3814-5811



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:07 Júlio Campos muda domicilio eleitoral
19:05 Nem cálice e nem cale-se
19:05 Best-seller
19:05 Projeto de Lei dos 30 dias
19:04 Educação contra a desigualdade


19:04 Mistérios da República
19:02 Afastada da TV, Bianca Rinaldi diz que idade lhe trouxe maturidade e prepara canal no YouTube
19:02
19:01 Sequência de Malévola propõe nova vilã
19:01 Renée Zellweger já desponta como favorita ao Oscar
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018