Sábado, 21 de setembro de 2019 Edição nº 15261 13/07/2019  










Anterior | Índice | Próxima

A Câmara e a Previdência

Deve ser valorizada a postura da Câmara dos Deputados, como instituição, que tomou as rédeas do processo e conduziu a aprovação no plenário do texto-base da reforma da Previdência em primeiro turno, diante da falta de base sólida do governo e do pouco empenho do próprio presidente Jair Bolsonaro com a essencial mudança no sistema de aposentadorias do país. Feito o reconhecimento, é preciso também deplorar o esforço de setores do parlamento de tentar desbastar a essência da proposta de reduzir privilégios e desigualdades entre os brasileiros. Em alguns casos, lamentavelmente com o incentivo do Planalto.

Pressionar e chantagear, ameaçando atrasar a votação em segundo turno, para atender as corporações que já têm prerrogativas mais vantajosas na comparação com os demais trabalhadores, é uma atitude que não põe o interesse do Brasil em primeiro plano. Torna-se um acinte aos trabalhadores mais humildes, que não têm bancadas fortes à sua disposição, principalmente os da iniciativa privada, que ao longo de sua trajetória laboral ainda estão sujeitos ao fantasma do desemprego. Forçar a desidratação da reforma é atuar para não dividir a conta de forma igualitária.

É verdade que vieram do chamado centrão os votos necessários para a aprovação da nova Previdência. Esse contingente amorfo de deputados, porém, não assegurou o apoio apenas por estar convencido da importância inadiável de alterar as regras dos benefícios. Boa parte da persuasão veio da liberação bilionária de emendas.

Era promessa de Bolsonaro abandonar o toma lá dá cá com o Congresso. O que se viu, no entanto, foi o governo ceder à prática fisiológica para conseguir a maioria exigida. Mesmo com o compromisso do presidente, o Brasil não conseguiu se livrar desse jeito torto de fazer política. Sem uma base firme no Congresso, não chega a surpreender que a fatura tenha chegado tão alta. O episódio da aprovação em primeiro turno na Câmara chama ainda atenção para os papéis desempenhados pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia, e por Bolsonaro.

O primeiro teve postura sintonizada com as necessidades nacionais, assumindo o protagonismo de levar adiante uma agenda de país, ainda ontem empenhando-se para que os destaques não fizessem a proposta distanciar-se ainda mais da economia projetada de R$ 1 trilhão. Enquanto isso, o chefe do Executivo, quando não ignora ou apenas é superficial sobre a importância do tema, age mais como sindicalista de corporações do que como líder de uma nação.



Forçar a desidratação da reforma é atuar para não dividir a conta de forma igualitária



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:14 Embarques de milho somam US$ 1,34 bi em agosto, alta de 169,2%
18:13 Confinamento impulsiona abates em MT
18:02 Selma muda para o Podemos
18:02 BOA DISSONANTE
18:01 Ajuste no lugar errado


18:01 Medidas cautelares e prerrogativa de foro
18:00 Força feminina
17:59 Pivetta assume governo pela primeira vez
17:59 Revisão aponta superávit de R$ 121 milhões
17:59 Vereador entrega cargos que possuía na Prefeitura
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018