Domingo, 18 de agosto de 2019 Edição nº 15239 12/06/2019  










SÉRIEAnterior | Índice | Próxima

Série de humor A Vila estreia nova fase com reforço de Heloísa Périssé

GÉSSICA BRANDINO
Da Folhapress – São Paulo

A série de humor "A Vila" chega à terceira temporada e traz como novidade o reforço dos atores Heloísa Périssé, 52, e Lucas Veloso, 22. A comédia é exibida de segunda a sexta-feira, às 22h30, no canal pago Multishow.

Pérrissé conta que, para criar sua personagem Eleonora -que é a nova administradora da vila-, buscou inspiração na advogada Yasmin, papel que interpretou na peça "Advocacia Segundo os Irmãos Marx", de 2008, que tinha personalidade "canalha e sacana".

Já o ator Lucas Veloso viverá o Jonatas, inquilino da antiga casa de Sinclair, interpretado por Mumuzinho. "Ele é um cara super prestativo, cheio de rolos, de bom coração e um pulador de cerca que dá trabalho", conta o humorista, que é filho de Shaolin.

Os dois atores elogiaram a energia positiva do elenco do programa, que, além de Paulo Gustavo e Mumuzinho, tem Katiuscia Canoro (Violeta), Monique Alfradique (Isabela), Ataíde Arcoverde (Seu Lupércio) e Ilana Kaplan (Daysi). A temporada tem, ainda, participações especiais de Carlinhos de Jesus, Sol Almeida e Sérgio Marone.

"Foi maravilhoso trabalhar com todos desse elenco, sem exceção. Era no nível de eu chegar em casa feliz e pensar todos os dias Senhor, isso é trabalho? Eu chamo de amor ou de qualquer coisa, menos de trabalho. Uma delícia, uma coisa tão divertida, tão boa e renovadora para a alma", afirma Périssé.

Veloso, que diz admirar Paulo Gustavo, também afirma estar animado. "Eu fiquei muito ansioso para trabalhar com o Paulo, já que sou um grande fã, e não imaginava o quanto ele é generoso e simples. Aliás, o elenco inteiro."

Além do ex-palhaço Rique, Paulo Gustavo viverá mais dois personagens nos novos episódios: a barraqueira Brenda e Maria Efisema, uma senhora moradora de Copacabana que acredita ter uma saúde de ferro embora seja viciada em cigarro.

Num contexto de polarização política no país, os artistas veem transformações marcarem a arte de fazer rir. Nesse ponto, um dos objetivos da série é buscar diálogo com os mais diferentes públicos.

"Acho que o humor, hoje em dia, vem se transformando, como é natural no processo de tudo na vida. E acho muito interessante estarmos sempre fora de uma zona de conforto, que nos faz estar em constante crescimento, para que não haja acomodação", diz Périssé, que também está na TV aberta na série Cine Holliúdy, da Globo.

Para Lucas Veloso, a comédia deve servir a todos. "Humor é para atender o empresário, a doméstica, o doutor, o estudante, a criança, o idoso. Enfim, humor é para todos. E programas como A Vila, pessoas como o Paulo, fazem um trabalho lindo abraçando todos esses públicos com a arte. Me sinto na obrigação de fazer o mesmo", afirma.

Na série, Paulo Gustavo é um ex-palhaço de um circo falido que mora em um trailer estacionado em uma vila. Nesta nova temporada, Eleonora chega justamente para atrapalhar a vida de Rique.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:03 Juiz prevê "prisão em massa" de membros do MPE
17:02 Os eternos donos do poder
17:02 Digital influencer
17:02 O STF e o combate ao crime organizado
17:01


17:01 Sinais de alerta na economia
17:00 Exposição em Paris transforma inteligência verde da floresta em arte
16:59 Gustavo Mioto planeja novo DVD no local de seu 1º show no Nordeste
16:59 Dupla sertaneja Diego e Victor Hugo tenta se firmar com músicas românticas
16:58 Número de discos vendidos por João Gilberto é nebuloso e trava processo milionário
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018