Quarta feira, 21 de agosto de 2019 Edição nº 15207 26/04/2019  










RENATO DE PAIVA PEREIRAAnterior | Índice | Próxima

Os caminhoneiros de novo

O discurso de campanha do então candidato Capitão Bolsonaro garantindo que governaria com base no apoio das bancadas temáticas, aplicado ao dia a dia não está dando resultados. A ideia fez muito sucesso entre os apoiadores do Presidente, que considerando a má fama dos partidos políticos, achavam que era possível ignorá-los.

Quem conhece política já sabia que este jogo era muito arriscado, porque os deputados e senadores, antes de pertencerem a qualquer bancada, filiam-se a um partido para disputar as eleições. Assim os partidos hierarquicamente estão acima das bancadas e seus dirigentes certamente reagiriam, como de fato o fizeram, à tentativa de deixa-los fora o jogo.

O governo para conseguir a aceitação popular apelidou o tradicional processo de participação dos parlamentares na máquina pública de “velha política” propondo outra forma que chamou de “nova política”, esta sim, segundo afirmava, seria a quintessência da virtude.

Não deu certo. A dificuldade que a reforma da Previdência está encontrando para ser votada na Comissão de Constituição e Justiça mostra que o governo não encontrou o caminho certo.

Mesmo com a ajuda declarada e entusiasmada do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não estão conseguindo superar a inoperância e falta de traquejo dos líderes do governo, formados de deputados ingênuos e inexperientes, quase todos de primeiro mandato.

Se não bastasse o atraso na votação da reforma, essa semana apareceu o problema dos caminhoneiros que ameaçam nova greve. Parece que eles adoraram o movimento feito em maio passado, quando pararam o país por 11 dias bloqueando estradas, matando animais de fome nas granjas, esgotando o combustível dos postos e desabastecendo os supermercados.

Também pudera, o povo aplaudiu essa “justa” reivindicação dos “heróis anônimos que se esforçam para fazer o país prosperar.” Segundo pesquisas de institutos especializados feitas na ocasião, mais de oito em cada 10 brasileiros, apoiaram o movimento dos “injustiçados trabalhadores”.

Da mesma forma os apoiou com entusiasmo vídeos postados nas redes sociais, o Capitão candidato percebendo ali uma valiosa fonte de votos.

Esquecendo que o Brasil é uma economia de mercado o governo da ocasião criou tabelas de frete, em vez de estimular a livre concorrência e negociação. Com o apoio inconsequente da população e a inoperância do governo, alimentou-se as lideranças da categoria, que empolgados coma fama repentina querem voltar à berlinda.

O presidente (com ele o Brasil) está numa situação muito difícil. Tornou-se refém dos parlamentares que se sentiram desprezados e decidiram dar o troco e dos caminhoneiros que querem parar de novo o País, como fizeram o ano passado derrubando o PIB que já era raquítico.

A exemplo daquelas placas que as empresas costumam exibir “ Estamos há (tantos) dias sem acidentes” proponho outra “O presidente esta há .... dias sem fazer trapalhadas”. Na quarta-feira passada minha marcação já mostrava sete dias sem incidentes quando a nefasta interferência, e posterior recuo, no reajuste no preço do diesel interrompeu a série.



* RENATO DE PAIVA PEREIRA – empresário e escritor

renato@hotelgranodara.com.br



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:18 Saúde e Segurança mostram dificuldades
18:49 Maggi critica Governo Bolsonaro
18:49 BOA DISSONANTE
18:48 O ônibus, o sequestro e a segurança
18:47 Reflexões da vida


18:47 Um espetáculo atrás do outro
18:47 A complexidade do saneamento
18:46
18:46 Ingerências preocupantes
18:45 Biógrafo de Roberto Marinho terá que devolver R$ 200 mil à Companhia das Letras
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018