Segunda feira, 20 de maio de 2019 Edição nº 15207 26/04/2019  










RENATA NEVES T. DE B. FREITASAnterior | Índice | Próxima

Mobilidade na Cuiabá tricentenária

Ao longo dos anos, verifica-se o estrangulamento do trânsito e da mobilidade urbana em Cuiabá, que pode ser percebida, entre outros aspectos, pela supremacia dos veículos motorizados na utilização do espaço público e pela incapacidade das vias no escoamento do tráfego, principalmente nos horários de pico, cujo quadro se agravou com as obras, mal dimensionadas e/ou inacabadas, para a Copa do Mundo de 2014.

A prevalência dos veículos automotores é traduzida pelo aumento vertiginoso da frota veicular, com destaque para os veículos de duas rodas, decorrente, principalmente, dos equívocos e da omissão do governo federal na elaboração de políticas públicas que, ao invés de privilegiarem o investimento no transporte público de qualidade no Brasil, concede incentivos à indústria automobilística, fomentando a utilização de motocicletas e similares, sem considerar a fragilidade/insegurança que lhes é inerente por suas próprias especificações estruturais. Soma-se a isso, a liberação da circulação desses veículos nos corredores entre os carros, o que potencializa a ocorrência dos "acidentes" de trânsito (Vasconcellos, 2013).

Dados do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) demonstram que no ano de 2011 a frota total de veículos de Cuiabá era de 293.135 unidades, enquanto que no ano de 2018 foram registrados 428.446 veículos. Com relação à frota de veículos de duas rodas, em 2011 o total era de 76.753 unidades, atingindo 113.672 veículos de duas rodas no ano de 2018. Constata-se, portanto, o aumento significativo de 46,15% da frota veicular total e de 48,10% da frota de veículos de duas rodas no período de 2011 a 2018. Entretanto, esse crescimento não foi acompanhado da realização de adequações e obras de engenharia viária necessárias para a fluidez do trânsito e a convivência harmônica entre os seus atores.

Com, praticamente, a mesma estrutura viária de décadas atrás, os conflitos são recorrentes: é a disputa (e não a convivência) que rege a utilização do espaço público. Esse cenário, somado ao individualismo presente na sociedade atual, à ausência da cidadania e da civilidade e à insuficiência da fiscalização, tem produzido caos, violência e um número cada vez maior de mortos e sequelados no trânsito.

Especialista em saúde e violência, Minayo (2004), é enfática ao afirmar que os acidentes de transporte, no Brasil, matam mais que os homicídios, suicídios e a maioria das doenças, atingindo, em grande parte, a população jovem, que morre ou fica inválida. Entretanto, destaca a especialista, "enquanto os homicídios e os suicídios provocam grande comoção social, os óbitos e as lesões no trânsito ocupam um espaço obscuro de leniência e permissividade".

A proximidade das comemorações dos 300 anos de nossa querida capital nos convida a refletir sobre a Cuiabá que queremos para os próximos cem anos. É preciso pensar em alternativas viáveis e sustentáveis para a melhoria da mobilidade urbana, capaz de contribuir para a evolução da qualidade de vida da população, a preservação da vida e a garantia do direito ao trânsito seguro.

Nesse sentido, um dos caminhos possíveis é a aproximação e a articulação do poder público com as instituições de ensino superior, utilizando-se da pesquisa científica como princípio indutor do desenvolvimento na área de trânsito e mobilidade, capaz de subsidiar a elaboração de políticas públicas, a utilização racional de recursos e a atuação de agentes públicos. A esse respeito, temos a experiência do passado como referência, quando a Universidade Federal de Mato Grosso, conhecida e reconhecida nacional e internacionalmente como "Uniselva", participou ativamente do desenvolvimento regional de Mato Grosso nas décadas de 70 e 80.

Que possamos, então, com as demandas que o momento atual nos apresenta e aproveitando as experiências exitosas do passado, prospectar o futuro e construir uma Cuiabá melhor para todos nós!



* RENATA NEVES T. DE BARROS FREITAS é especialista em Gestão da Educação no Trânsito e analista do Serviço de Trânsito do Detran-MT

nevesre.freitas@gmail.com



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:08 Ministro defende proposta da indústria para rotular alimentos
20:07 De 380 escolas, só seis têm a telemedicina como matéria obrigatória
20:01 BOA DISSONANTE
20:00 A revogação da prisão preventiva de temer
20:00 Fim dos lixões e aterros sanitários


19:59 Despertar da educação
19:59 Jabuticaba
19:58 Final de The Big Bang Theory acerta no equilíbrio entre comédia e emoção
19:58
19:57 Os homens que não amavam as mulheres
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018