Sexta feira, 22 de março de 2019 Edição nº 15179 15/03/2019  










Anterior | Índice | Próxima

Horror em Suzano

O brutal massacre registrado na região metropolitana de São Paulo, que incluiu entre as vítimas jovens alunos e funcionários de uma escola estadual de Suzano, é uma tragédia com a qual o país não pode se conformar. Nesse primeiro momento, as atenções precisam ser direcionadas aos feridos, aos sobreviventes, familiares e pessoas próximas às vítimas, que demandam cuidados especiais para superarem a dor e o trauma. Ainda assim, mesmo sob o impacto do que o presidente da República, Jair Bolsonaro, chamou de "monstruosidade e covardia", o país não pode esperar mais para sair em busca de alternativas que evitem a incorporação desse tipo abjeto de ato no cotidiano.

Infelizmente, episódios violentos, praticados num território consagrado ao aprendizado e num ambiente de harmonia como deveria ser sempre o das escolas, ameaçam se incorporar à rotina brasileira. Entre muitos outros casos envolvendo estudantes, o mais lembrado ainda é o de Realengo, no Rio de Janeiro. Na época, em 2011, 12 adolescentes foram vítimas de um atentado semelhante, que estarreceu o país. A questão é que truculências desse tipo acabam dando margem a uma série de ações e providências imediatas, tanto por parte das comunidades escolares quanto das autoridades de segurança. Logo em seguida, porém, tudo costuma cair no esquecimento.

Violência na escola é uma questão a ser enfrentada também pelas comunidades, não apenas pelos organismos de segurança, que precisam ter uma ação mais efetiva e intermitente no entorno das instituições de ensino. Obviamente, não basta apenas reagir a cada episodio traumático, imaginando que tudo se resolverá por si. É preciso que haja ações permanentes, envolvendo não apenas alunos, professores e funcionários, mas também os pais, sempre que possível.

O Brasil não pode esperar por mais uma tragédia para só então se empenhar de fato em transformar o ambiente escolar num território de paz, como forma de evitar que esse tipo de sofrimento se repita. O horror em Suzano, que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, definiu como atentado, desafia os adultos a encontrarem saídas eficazes para tranquilizar os alunos e afastarem de vez esse tipo de ameaça. Um país com tantos entraves na educação precisa se concentrar no que realmente dificulta o aprendizado e põe os alunos em risco, não em questões acessórias.



O Brasil não pode esperar por mais uma tragédia para só então se empenhar de fato em transformar o ambiente escolar num território de paz



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:52 Múltiplas tragédias, uma causa!
17:42 Deputado de MT cobra urgência na análise do FEX
17:41 Wilson Santos e Ricardo Saad disputam comando do PSDB
17:41 Botelho acredita que pedido de empréstimo do governo passará na AL
17:41 Mauro acerta com bancada federal destino de recursos


17:13 Cuiabá rumo aos 300 anos
17:12 Não se pode negar a diferença
17:12 Twitter e imprensa
17:11 Temer na cadeia
17:09
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018