Sexta feira, 22 de março de 2019 Edição nº 15179 15/03/2019  










LIVRO/CRÍTICAAnterior | Índice | Próxima

"O Rio da Consciência", livro póstumo de Sacks

Autor deixa claro em obra que 'neurociência romanceada' é uma ressurreição literária

REINALDO JOSÉ LOPES
Da Folhapress - São Paulo

Ao produzir perfis detalhados e imaginativos da vida mental de seus pacientes, o britânico Oliver Sacks (1933-2015) transformou a neurologia em uma ciência narrativa.

Em "O Rio da Consciência", livro póstumo do autor, ele presta um tributo a seus antecessores e deixa claro que, mais do que uma invenção dele, a "neurociência romanceada" é uma ressurreição literária: grandes médicos do século 19 escreviam desse jeito.

Veja, por exemplo, como o fisiologista Emil Du Bois-Reymond (1818-96) fala de suas crises de enxaqueca: "Acordo com uma sensação generalizada de desordem: uma leve dor na região da têmpora direita, que chega ao auge da intensidade ao meio-dia. Ela responde a cada pulsação da artéria temporal. O rosto fica pálido e encovado, o olho direito pequeno e avermelhado".

"Cito a autodescrição em parte por sua precisão e beleza", explica Sacks, "mas principalmente porque ela é exemplar: todos os casos de enxaqueca variam, mas são, por assim dizer, permutações desse."

A capacidade de recuperar a sensibilidade que predominava em épocas menos estreitamente especializadas da história da ciência é um dos fios condutores do livro, que ajuda muito a evitar a sensação de "pot-pourri" ou mera coletânea que poderia ser gerada pela diversidade de temas.

Outro tema unificador são ídolos intelectuais de Sacks -principalmente Darwin e Freud, com o psicólogo e filósofo William James, outro gigante do século 19, num distante terceiro lugar.

(É curioso, aliás, como a paixão de Sacks por Freud sobrevive aos incontáveis equívocos factuais das ideias freudianas -aqui, faz sentido suspeitar que o talento literário do pai da psicanálise ajuda a encobrir seus diversos pecados.)

Mesmo falando de pesquisadores como os citados acima, gente que forjou novas disciplinas praticamente sozinha, Sacks prefere se debruçar sobre o pequeno -detalhes que podem não mudar o mundo, mas que são a carne e o sangue de uma área científica.

Temos, por exemplo, o fascínio do autor pela coevolução que une flores e seus insetos polinizadores num minueto que já dura dezenas de milhões de anos, ou os misteriosos enganos auditivos que levam as pessoas a interpretar uma frase das maneiras mais criativas e estapafúrdias (algo que o autor poderia apelidar de "efeito Velha Surda de 'A Praça É Nossa'", caso fosse brasileiro e gostasse de humor televisivo datado).

E, quando fala de neurociência, reforça uma das mensagens mais importantes de seus livros anteriores: o cérebro, em certo sentido, constrói ativamente a realidade percebida, usando as pistas da natureza para montar um modelo do mundo que, às vezes, "dá pau" de modos divertidos ou assustadores.

A grande joia do livro, porém, é provavelmente o ensaio final, no qual Sacks usa a imagem do escotoma -termo que designa regiões do campo visual que ficam embaçadas ou totalmente apagadas ao lado de outros pontos de visão normal- para descrever a natureza contingente das descobertas científicas.

Trocando em miúdos: até quando falamos de ciência, a ideia de progresso permanente e inexorável é ilusória.

O avô de Charles Darwin, Erasmus, por exemplo, foi um evolucionista convicto, mas seu neto muito mais cauteloso e conservador só se convenceu do caráter mutável das espécies de seres vivos e conseguiu formular de modo coerente a ideia de seleção natural após anos de coleta e análise de informações.

Grandes ideias podem eclodir a qualquer momento, mas só conseguem deitar raízes em ecossistemas sociais e culturais que lhes sejam amigáveis, sem falar nas idiossincrasias dos que atuam como guardiães das diferentes disciplinas e têm influência suficiente para barrar esse desenvolvimento. A verdade não triunfa automaticamente.



O RIO DA CONSCIÊNCIA

AUTOR Oliver Sacks

TRADUÇÃO Laura Teixeira Motta

EDITORA Companhia das Letras

QUANTO R$ 32,60 (176 págs.)

AVALIAÇÃO Bom



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:52 Múltiplas tragédias, uma causa!
17:42 Deputado de MT cobra urgência na análise do FEX
17:41 Wilson Santos e Ricardo Saad disputam comando do PSDB
17:41 Botelho acredita que pedido de empréstimo do governo passará na AL
17:41 Mauro acerta com bancada federal destino de recursos


17:13 Cuiabá rumo aos 300 anos
17:12 Não se pode negar a diferença
17:12 Twitter e imprensa
17:11 Temer na cadeia
17:09
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018