Domingo, 24 de março de 2019 Edição nº 15166 22/02/2019  










OPERAÇÃO DATA LEAK Anterior | Índice | Próxima

Vazamento de dados do INSS rende R$ 2 mi ao mês a bando

Da Reportagem

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal em Cuiabá deflagraram ontem, quinta (21), a segunda fase da Operação Data Leak, que apura o comércio ilícito de bases de dados públicas sigilosas da DataPrev, Siape, Prefeituras e Exército.

A investigação é feita pela Polícia Federal de Mato Grosso, que apura, desde o ano passado, a denúncia de que um servidor público lotado em Mato Grosso teria repassado dados sigilosos de pensionistas para a quadrilha.

Ontem, os policiais cumpriram cinco mandados de prisão temporária e 10 de buscas e apreensões em Curitiba, Porto Alegre, São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Um dos mandados de prisão se refere a funcionário da DataPrev do Rio de Janeiro suspeito de prática de corrupção, violação de sigilo funcional e vazamento de dados sigilosos.

Na primeira fase dos trabalhos, no dia 12 de dezembro, foram cumpridos outros 7 mandados de prisão temporária e 9 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 5a Vara Federal de Cuiabá.

O nome Data Leak faz referência ao vazamento de dados sigilosos que chegam ao poder de pessoas que praticam o comércio clandestino de informações financeiras e pessoais sigilosas de funcionários públicos e segurados do INSS.

Os receptadores dos dados, por sua vez, comercializam as informações com escritórios de advocacia, contabilidade, financeiras e empresas de cobrança, dentre outras, auferindo expressivos lucros na transação.

A Polícia Federal apurou que essas empresas chegam a faturar mais de R$ 2 milhões por mês com o comércio dos dados públicos sigilosos.

O Ministério Público Federal pretende obter o sequestro de bens que superam o valor de R$ 10 milhões. Na primeira fase foram apreendidos vários veículos de luxo pertencentes aos investigados.

Os investigados estão sendo indiciados e responderão criminalmente por vazamento e receptação de dados públicos sigilosos, corrupção ativa e passiva, violação de sigilo funcional e participação em organização criminosa.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:52 Múltiplas tragédias, uma causa!
17:42 Deputado de MT cobra urgência na análise do FEX
17:41 Wilson Santos e Ricardo Saad disputam comando do PSDB
17:41 Botelho acredita que pedido de empréstimo do governo passará na AL
17:41 Mauro acerta com bancada federal destino de recursos


17:13 Cuiabá rumo aos 300 anos
17:12 Não se pode negar a diferença
17:12 Twitter e imprensa
17:11 Temer na cadeia
17:09
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018