Quinta feira, 22 de agosto de 2019 Edição nº 15162 16/02/2019  










CRISE EM BRASÍLIAAnterior | Índice | Próxima

Em reunião, Onyx diz a Bebianno que ele fica no cargo

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência é personagem de crise envolvendo Jair Bolsonaro, estava ameaçado de demissão

Da Folhapress – Brasília

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, permanecerá no cargo. A decisão foi comunicada a ele nesta sexta-feira durante reunião a portas fechadas no Palácio do Planalto com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Na conversa, Onyx disse a Bebianno que ele se manterá no cargo com suas atribuições integrais. O chefe da Casa Civil classificou a crise como "um acidente do percurso".

Ao deixar o Palácio do Planalto para almoçar, Bebianno foi questionado pela reportagem da TV Globo sobre uma suposta crise no governo e respondeu: "Para mim, não tem crise nenhuma".

O ministro, que estava acompanhado da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), disse também que não sabe se permanecerá no comando da pasta.

“Estou aqui, não estou?”, disse o ministro ao ser indagado sobre o assunto. Diante de nova pergunta sobre o tema, ele afirmou: “Não sei. Quem é que sabe, né?”

Alvo de uma crise amplificada pela filho do presidente Carlos Bolsonaro (PSC) , vereador do Rio, Bebianno recebeu o apoio de ministros palacianos, militares do governo e parlamentares, incluindo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia .

Eles consideraram grave o envolvimento de familiares de Jair Bolsonaro com o governo e atuaram para segurar Bebianno no cargo e, consequentemente, evitar a imagem de que o rumo do Palácio é ditado pelos filhos do presidente. O trio que possuim cargos eletivo é apontado como um gerador de crise para Bolsonaro.

Bebianno recebeu o apoio dos colegas do Palácio e foi aconselhado, nesta sexta-feira, a se recolher nos próximos dias e evitar declarações à imprensa. O grupo que atuou para contornar o entrevero avalia que a apresentação do texto da reforma da Previdência ajudará a tirar os holofotes da crise.

O secretário-geral da Presidência esperava ser recebido pelo presidente, de quem foi coordenador da campanha. Por ora, não há previsão de que o encontro acontecerá.

Envolto numa crise provocada pelo filho do presidente, Carlos Bolsonaro, que trabalha pela demissão do desafeto no governo, o ministro passou os últimos dias tentando se segurar no cargo. Bebianno enfrenta um processo de desgaste provocado por denúncias envolvendo irregularidades na sua gestão à frente do caixa eleitoral do PSL, partido dele e de Bolsonaro. Segundo reportagem da "Folha de S.Paulo" , durante as eleições, então coordenador da campanha de Bolsonaro, Bebianno liberou R$ 400 mil do fundo partidário a uma candidata que teve apenas 274 votos. A suspeita é de que ela tenha sido usada como laranja pela legenda do presidente da República.

Para afastar os rumores de que estaria fragilizado no cargo, o ministro disse ao ‘O Globo”, na terça-feira, que mantinha contato frequente com o presidente, por WhatsApp. Filho mais próximo do presidente, o vereador carioca Carlos postou nas redes sociais, na quarta-feira, um áudio do presidente para tentar desmentir o ministro da Secretaria-Geral.

O filho do presidente, que não tem função formal no governo, postou a gravação no começo da tarde , enquanto o pai voava de São Paulo a Brasília, para mostrar a seus seguidores que o ministro teria mentido, ao dizer que teria conversado com Bolsonaro. Anda na quarta, o próprio Bolsonaro replicou a mensagem do filho , que chamava Bebianno de mentiroso.

O presidente concedeu uma entrevista em que também acusou o ministro de mentir . Bolsonaro disse que pediu a Sergio Moro a entrada da Polícia Federal no caso e chegou a dizer que se o ministro estiver envolvido no uso de candidatos do PSL como laranjas na campanha eleitoral de 2018, ele deverá sair do governo.

A decisão do presidente da República de defenestrar um de seus principais ministros, com gabinete no próprio Palácio do Planalto, desagradou a ala do governo mais conservadora, que preferia discutir desavenças internamente. O fato de Bolsonaro ter chamado o ministro de mentiroso e sinalizado sua possível exoneração na TV, sem sequer ter tratado com o auxiliar do caso, também mostrou aos aliados que o presidente não teria reservas em abandonar companheiros, caso se sinta ameaçado.

Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:18 Saúde e Segurança mostram dificuldades
18:49 Maggi critica Governo Bolsonaro
18:49 BOA DISSONANTE
18:48 O ônibus, o sequestro e a segurança
18:47 Reflexões da vida


18:47 Um espetáculo atrás do outro
18:47 A complexidade do saneamento
18:46
18:46 Ingerências preocupantes
18:45 Biógrafo de Roberto Marinho terá que devolver R$ 200 mil à Companhia das Letras
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018