Sexta feira, 23 de agosto de 2019 Edição nº 15162 16/02/2019  










IBAMAAnterior | Índice | Próxima

Madeiras apreendidas são usadas para construção de 50 pontes em MT

Da Reportagem

Mais de 3 mil metros cúbicos de madeira apreendidos no ano passado, em Mato Grosso, foram usados para a construção de pelo menos 50 pontes na região da Amazônia. A madeira apreendida em operações de fiscalização pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foi entregue para prefeituras e instituições de educação.

Portanto, também foi aproveitada para manutenção de escolas, creches e na construção de mesas e cadeiras. Conforme o Ibama, a preensão é aplicada por agentes ambientais quando não há comprovação da origem da madeira ou quando é identificada fraude em sistemas de controle como o Documento de Origem Florestal (DOF). “As fraudes geralmente são realizadas para acobertar madeira extraída ilegalmente de Terras Indígenas e Unidades de Conservação”, afirma a superintendente do Ibama em Mato Grosso, Lívia Martins.

A madeira apreendida foi destinada para 11 prefeituras do estado, sendo elas, União do Sul, Cláudia, Terra Nova do Norte, Itaúba, Sinop, Feliz Natal, Nova Ubiratã, Cláudia, Nova Guarita, Marcelândia e Peixoto de Azevedo e para o campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) em Sorriso.

Em uma das ações de fiscalização realizada em novembro do ano passado, por exemplo, o Ibama identificou 22 pessoas envolvidas na exploração ilegal de ipê nas Terras Indígenas (TIs) Aripuanã, Roosevelt e Parque do Aripuanã, no noroeste do estado. A operação foi realizada em conjunto com a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Gerência de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil de Mato Grosso.

Durante a fiscalização, realizada em nove frentes de exploração ilegais, agentes ambientais apreenderam 13 caminhões, três pá-carregadeiras, quatro tratores adaptados para a retirada de árvores, dois tratores de esteira, dois reboques florestais, oito motos, 12 motosserras, seis armas de fogo e uma caminhonete. A madeira seguiria para serrarias de Espigão do Oeste (RO) e Aripuanã, no estado.

Nas áreas vistoriadas, foram encontrados mais de 2,5 mil metros cúbicos de madeira em toras, a maioria de ipê, equivalentes à carga de 150 caminhões toreiros. A grande demanda pela espécie, associada ao alto valor de mercado, resultou praticamente no fim de estoques em áreas privadas e no aumento da pressão sobre terras indígenas e unidades de conservação para extração ilegal.

De acordo com informações do órgão federal, cada metro cúbico de ipê em tora extraído legalmente de Planos de Manejo Florestal (PMFS) é vendido por cerca de R$ 850,00. A variação de preço ocorre em razão da qualidade da tora. Após serrado e beneficiado, o metro cúbico da espécie é exportado por até R$ 9,5 mil, valor que pode variar de acordo com a cotação do dólar.

Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:31 Mauro "pede a Deus" por empréstimo
19:31 BOA DISSONANTE
19:30 Incentivos fiscais: novos tempos!
19:29 Preservação
19:29 60 anos da Rádio Difusora Bom Jesus


19:28 Lista da privatização
19:28 Desserviço
19:27 Livro dribla melodrama com personagem que usa sono para superar luto
19:27
19:26 Raul Seixas persiste 30 anos após morte
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018