Sexta feira, 22 de fevereiro de 2019 Edição nº 15157 09/02/2019  










BOVINOSAnterior | Índice | Próxima

Abate aumentou 9% no Estado em 2018

No ano passado foram enviadas aos frigoríficos 5,41 milhões de bovinos para abate em Mato Grosso

ARQUIVO
No ano passado, frigoríficos em Mato Grosso abateram 5,41 milhões de cabeças
MARIANNA PERES
Da Reportagem

Mato Grosso abateu em 2018, 8,99% mais bovinos do que no ano anterior. De janeiro a dezembro do ano passado foram enviadas aos frigoríficos 5,41 milhões de cabeças, conforme dados consolidados pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT) e analisados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). O Estado detém o maior rebanho comercial de gado do país, com mais de 30 milhões de cabeças.

Como aponta o Imea, o acréscimo no volume de animais abatidos é justificado em parte pela atual fase do ciclo pecuário, que chega próximo ao seu pico no descarte de fêmeas, com participação de 44,03% no abate total, maior valor desde 2014. “Além disso, destaca-se a diminuição na idade de abate dos bovinos mato-grossenses, os animais com menos de 24 meses atingiram uma participação de 17,35% no total abatido, o maior valor da história. Desta forma, evidencia-se a expansão produtiva da pecuária mato-grossense em 2018, no entanto, os números demonstram que a atividade continua a buscar melhores índices de produtividade”.

E o ano começa bem para o setor. O boi gordo e a vaca gorda registraram valorização, fechando a semana passada cotados em média a R$ 136,11/@ e 127,80/@, respectivamente. “Com dificuldade em encontrar pecuaristas realizando vendas, os frigoríficos observaram a escala de abate decair 2,04 dias, estabelecendo-se em 5,91 dias”.

MUDANÇAS - As exportações mato-grossenses de carne bovina in natura encerraram 2018 com uma receita de US$ 1,12 bilhão, o terceiro melhor resultado da história, ficando atrás apenas do contabilizado em 2014 e de 2017. “Esse resultado foi alcançado apesar de o Estado ter ‘perdido’ dois dos seus maiores importadores de proteína bovina, a Rússia e a Venezuela. Em 2014, estes dois países eram responsáveis por 45,01% das compras de carne bovina mato-grossense, no entanto, sofrendo com crises internas, reduziram suas compras em mais de 99% até 2018. Com esse cenário, o apetite asiático assumiu o protagonismo nas vendas do Estado e está ocupando este ‘vazio’ deixado pelos venezuelanos e russos”, explicam os analistas do Imea.

Em 2018, a Ásia foi destino de 59,04% da carne bovina in natura exportada por Mato Grosso. Diante disto, destaca-se a necessidade em se manter as relações comerciais existentes, no entanto, não se pode perder a visão da importância de se abrir novos mercados, como observam os analistas.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:06 Frente da Agropecuária quer mudar idade mínima de trabalhador rural
19:42 Justiça suspende indicação de Maluf
18:08 Em Brasília, Mauro cobra retomada das obras da BR-163
17:59 Janaína e Russi dizem que governo apoiou vitória de Maluf
17:58 Com 13 votos, Guilherme Maluf é indicado ao TCE


17:57 MP recomenda anular escolha de Maluf
17:11 Adolescentes indígenas são flagrados com moto furtada
17:11 Vazamento de dados do INSS rende R$ 2 mi ao mês a bando
17:10 Pais fazem filho de “cabo de guerra” em shopping
17:10 Presa suspeita de tentativa de latrocínio contra idosos
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018