Sexta feira, 18 de janeiro de 2019 Edição nº 15136 11/01/2019  










SALÁRIOAnterior | Índice | Próxima

Governo estuda redução de encargos

BERNARDO CARAM
Da Folhapress – Brasília

Com a promessa de reduzir encargos trabalhistas incidentes sobre a folha de salários, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, afirmou ontem que o governo pode compensar a medida com a cobrança sobre faturamento de empresas ou com tributação indireta adicional.

O secretário criticou a desoneração promovida durante o governo Dilma Rousseff (PT), que atendeu a setores específicos. Parte desses benefícios foi revertida durante a gestão de Michel Temer.

Hoje, a desoneração da folha já consiste na substituição da contribuição previdenciária patronal pela incidência de tributo sobre faturamento.

A proposta do novo governo prevê uma desoneração ampla e, além da cobrança sobre faturamento, está entre as opções a compensação com um tributo indireto - que incide sobre produtos, e não sobre a renda.

"A desoneração da folha de salários aconteceu muito em cima de demandas específicas, setoriais. O que estamos trabalhando é na desoneração da folha de maneira geral, ampla e sistêmica", disse.

A LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) determina que a concessão ou ampliação de incentivo tributário seja acompanhada de medidas de compensação. Isso pode ser feito por meio de elevação de alíquotas, ampliação de base de cálculo ou criação de tributo.

Para compensar a desoneração ampla da folha de pagamento, Contra descartou a implementação de uma nova CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira).

De acordo com o secretário, o incentivo poderia ser compensado por tributação sobre faturamento de empresas ou tributação em outras bases, inclusive com tributos indiretos. Cintra não detalhou a proposta, que, segundo ele, ainda passa por simulações.

"Há uma gama de alternativas que precisam ser comparadas: o que você perde reduzindo uma incidência direta sobre folha e que tipo de tributo poderá substituir essa mesma arrecadação. Sempre com a meta de não aumentar carga tributária e gerar mais emprego", afirmou.

Antes de reunião no TCU (Tribunal de Contas da União), Cintra também afirmou que eventual reforma do Imposto de Renda não é prioridade imediata.

"A prioridade do governo hoje é trabalhar na reforma previdenciária, o que me dá, evidentemente, tempo para desenvolver um projeto que envolva Imposto de Renda e uma reforma tributária como um todo", disse.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:07 Rodrigo Maia vem hoje a Cuiabá para discutir o FEX
18:06 Decreto indica prioridade dos pagamentos
18:04 Mauro Mendes decreta calamidade financeira
18:02 Revogada prisão de empresária que atropelou e matou jovem
18:01 Ex-jogador do União morre em acidente de trânsito


18:01 Mais de 160 agentes passam a atuar em unidades de MT
17:59 MT regista mais 39,7 mil casos de violência contra mulher em 2018
17:59 Preso trio envolvido em latrocínio no Consil
17:57 Após facilitar posse de arma, Bolsonaro prevê viabilizar porte a passos lentos
17:55 Pivetta defende pacote de Mauro
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018