Quarta feira, 26 de junho de 2019 Edição nº 15136 11/01/2019  










Anterior | Índice | Próxima

Transparência nas estatais

Os discursos de posse dos novos presidentes do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) indicam uma mudança importante na atuação dos três maiores bancos públicos do país. É mais do que bem-vinda a promessa de tornar mais ágeis e transparentes as operações das estatais, vítimas de flagrante ingerência política ao longo da última década.

Especialmente relevante é a disposição do novo governo de não preencher cargos nas instituições tendo inclinações partidárias como critério fundamental. O aparelhamento ideológico esteve na raiz de diversos escândalos ocorridos durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

A indicação de economistas renomados e de sólida formação para os postos de comando soma-se a um quadro qualificado de funcionários - que devem ser valorizados, inclusive, nas posições mais altas de liderança.

Consertar distorções no formato de financiamento público, revendo prioridades, constitui tarefa trabalhosa, mas também necessária. O ajuste nas contas federais só faz sentido se incluir também as estatais, muitas das quais sugam anualmente volumes consideráveis de recursos do orçamento da União.

O caso do BNDES é particularmente sensível. É imprescindível que a adoção de critérios escusos para a concessão de empréstimos fique no passado. O delírio das "campeãs nacionais", que por anos privilegiou o alinhamento ideológico em vez do potencial de mercado das empresas beneficiadas, deve servir como lição ao governo recém empossado. Interesses políticos não devem, em hipótese alguma, sobrepor-se a uma visão estratégica de país.

Espera-se, sobretudo, que a prometida apuração sobre esses negócios traga-os à luz, como afirmou o presidente Jair Bolsonaro, e não sejam varridos para baixo do tapete sob o manto do sigilo. O país tem o direito de saber e julgar como o dinheiro público é gasto.



É bem-vinda a promessa de tornar mais ágeis e transparentes as operações dos bancos públicos



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:50 BOA DISSONANTE
18:49 "Pacote" de ajustes de Mauro economizará R$ 900 milhões em 4 anos em MT
18:48 De seguir a perseguir
18:48 Desse mato não sai coelho
18:48 Política e a crise


18:47 Polêmicas inúteis
18:47 Investigação materna
18:46
18:45 Famosos que sumiram com o tempo
18:45 Crime e Castigo prova que a fé não nos deixa incapazes de pensar
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018